Para liderar um programa de inovação orientado por ideias, é necessário que o profissional e sua equipe tenham uma mentalidade de eficiência e desapego a cargos e posições hierárquicas. Um executivo apegado ao poder do cargo fatalmente entrará em conflito com os pré-requisitos necessários para a implementação de uma cultura de inovação.

Tomadas de decisão, influência sobre seus colaboradores e diversos outros aspectos da gestão de uma organização podem acabar sendo prejudiciais para uma liderança inovadora.

Os autores Alan Robinson e Dean Schroeder, em seu livro Organização Guiada por Ideias, citam efeitos negativos como “menos cuidado (…) e dificuldade em considerar o que os outros já sabem” e que “o poder reduz a complexidade do pensamento de uma pessoa”.

Para ajudá-lo a combater esse efeito negativo e danoso para o compartilhamento de ideias e para uma liderança inovadora, listamos, a seguir, quatro comportamentos necessários para liderar o desenvolvimento de uma cultura de inovação em seu empreendimento. Confira!

1. Humildade

Em um mercado cada vez mais competitivo, é um erro comum enxergar humildade como uma fraqueza, ou como uma característica indesejável por projetar insegurança ou passividade. De fato, de acordo com um estudo, os profissionais humildes são os que alcançam melhores resultados no trabalho.

Assim, para um líder interessado em desenvolver uma cultura de inovação e incentivar o livre tráfego de ideias na organização, a percepção de que ser humilde é algo negativo não poderia estar mais longe da verdade.

Uma gestão de inovação encarada com humildade faz toda a diferença para o input de novas ideias e, por consequência, para o desenvolvimento e a execução de trabalhos e realizações com maior qualidade e potencial competitivo.

É importante saber se colocar em um contexto colaborativo e ter humildade para ouvir e respeitar opiniões diferentes. Em uma organização com liderança inovadora, as contribuições e o trabalho de todos devem ter a mesma importância e, nesse momento, a humildade torna-se uma característica essencial.

Inclusive, a humildade é vital em processos relacionados diretamente com o cliente, e a gestão deve estar preparada para saber operacionalizar suas ideias na otimização de seus processos.

2. Ser orientado por melhorias

Tendo a humildade como um pré-requisito para uma cultura de inovação, é preciso também que o líder de inovação saiba direcionar seus esforços e os de sua equipe para uma melhoria constante.

É fundamental que a liderança de inovação saiba identificar as ideias que podem reduzir custos e aumentar as receitas – sejam através de iniciativas de melhoria dos processos de atendimento aos clientes ou de renegociação com fornecedores para melhorar o tempo de entrega ou reduzir custos operacionais. 

Somente fornecer uma solução para a submissão de ideias, utilizando tecnologias como o AEVO Innovate, sem fazer com que essas ideias sejam incentivadas e orientadas para melhorar os fluxos e processos da organização é desperdiçar o potencial dessa ação.

Para implementar melhorias, é importante ouvir sua equipe. Mas é um comportamento-chave fazer com que sua liderança inovadora seja orientada por melhorias. Dessa forma, é incentivada a circulação de ideias que sejam realmente relevantes e possam fazer com que a empresa cresça e se desenvolva.

3. Ter mentalidade de execução

Assim como os próprios processos de jornada de seu cliente, a cultura de inovação depende de um processo eficiente. Ideias, por melhores ou mais bem-intencionadas que sejam, não têm peso ou valor de argumento sem que sejam implementadas e testadas na prática. Ter uma mentalidade de execução é o que faz sua liderança inovadora sair da  teoria para uma realidade de fato.

As ideias são frutos de um processo criativo entre você, sua gestão e seus colaboradores. E nesse tipo de processo, muitas vezes, não são consideradas variáveis que podem alterar todo o resultado e até mesmo o andamento do projeto antes mesmo de ele atingir a maturidade necessária.

Por isso, é importante uma mentalidade de execução aliada às demais características-chaves fundamentais. Uma metodologia essencial para incentivar essa mentalidade para sua liderança de inovação e para as ideias de seus colaboradores é a prototipagem.

Modelos, esquemas, miniaturas, versões funcionais para teste, dados coletados em nuvem, são muitas as ferramentas que ajudam o ato de idealizar a se transformar em execução de fato.

Um líder de inovação precisa incentivar e viabilizar essa mentalidade de execução nos projetos que administra por meio dessas ferramentas e de uma filtragem de ideias orientadas à melhoria e que possam ser aperfeiçoadas ou ajustadas para que resistam à etapa de execução e implementação.

4. Ter habilidade de trabalhar de forma colaborativa

Como já mencionamos ao apresentar a humildade como comportamento-chave para a liderança inovadora, é importante para o líder de inovação saber se colocar em um contexto colaborativo.

De acordo com estudo, há uma relação intrínseca entre colaboração e inovação, o que torna essa característica fundamental para as organizações que desejam criar uma cultura de inovação.

É importante salientar que ter a habilidade de trabalhar de forma colaborativa envolve não apenas ter, de fato, o conhecimento necessário para promover inovação em sua gestão.

Um trabalho colaborativo exige que o líder de inovação saiba educar seus colaboradores, engajando-os para que possam colaborar efetivamente por meio de suas ideias e atitudes.

Uma ação importante para que a cultura de inovação se propague é o gestor permitir que processos colaborativos ocorram de forma livre e contínua.

Primeiramente, é preciso ouvir seus colaboradores, clientes e outros gestores e orientá-los sobre como contribuir para um trabalho viável e orientado a melhorias.

Após esse passo, é importante que o gestor saiba como comunicar de modo atrativo e engajador a cultura de inovação e seus resultados para a empresa como um todo.

Pequenas ações como facilitar a realização de reuniões ágeis para a solução de problemas ou incentivar ideias e atividades de aperfeiçoamento dos processos fazem toda a diferença ao promover um ambiente que favoreça a criatividade, a inovação e a colaboração.

Para que tudo isso ocorra, é vital que o trabalho corporativo seja bem visto e recompensado dentro da própria cultura da empresa. Fazer recrutamento interno, por exemplo, pode ser um bom indicativo de como é relevante para sua equipe desenvolver habilidades para trabalhar de forma colaborativa e aderente à cultura da organização.

Considerações finais

Desenvolver uma cultura de inovação não é simples, mas é fundamental. Existem culturas empresariais, pressões do mercado externo e desconfiança por parte de alguns profissionais, além de outros obstáculos que impedem que essa cultura possa crescer.

Posições de poder de gestores que não tem nem querem desenvolver comportamentos necessários para uma liderança de inovação podem colocar em risco o engajamento dos funcionários e uma cultura voltada à geração de ideias inovadoras e focadas nas necessidades de sua empresa.

É preciso saber destacar os profissionais certos e proporcionar um ambiente amigável e propício para a cultura de inovação e colaboração. E sem um líder humilde, orientado por melhorias, com mentalidade de execução e a habilidade de trabalhar de forma colaborativa, não há organização nem ideias que possam ser realmente inovadoras.

E na sua organização, há uma cultura de inovação? Você se identificou com as quatro características-chave que compartilhamos aqui? Tem alguma outra para acrescentar? Participe dessa discussão, deixe sua mensagem nos comentários!