Todo gestor que tem como meta fazer a empresa crescer e, ao mesmo tempo, evoluir com ela, precisa tomar os cuidados necessários para garantir resultados consistentes e duradouros.

Por isso, se você é um desses profissionais e quer aumentar o retorno dos investimentos da sua empresa, saiba que você pode utilizar a gestão de inovação ao seu favor. Quer saber como? Então continue lendo este post e confira tudo sobre o assunto!

1. Ouça os seus colaboradores

Todos os envolvidos nos processos da empresa — ainda que não estejam alocados em contato direto com os clientes — terão uma visão crítica sobre eles.

Como algumas pessoas têm mais facilidade para se expressar do que outras, provavelmente você verá sugestões e questionamentos vindo, principalmente, de perfis mais expansivos. Contudo, é muito importante ficar atento também aos mais quietos.

Uma boa forma de atingir esse objetivo é pela implantação de um programa de ideias de inovação na sua empresa. Esses programas criam um canal de comunicação que permite aos colaboradores submeterem ideias inovadoras alinhadas com a estratégia da empresa.

No passado, essas ideias eram preenchidas em um papel e depositadas em uma urna. No entanto, atualmente o ideal é utilizar um software, como o AEVO Innovate, para permitir a submissão de ideias por um portal web. As vantagens são várias e incluem o lançamento de campanhas, aprovação eletrônica, colaboração online e recursos de gamificação, como evolução em conquistas e rankings de colaboradores mais inovadores.

Converse com os especialistas que tiver, e também com os generalistas. Cada um terá um tipo de visão diferente, e uma boa combinação de ambas poderá ser uma receita nova, bem interessante de ser testada.

E, caso tenha um grupo interdisciplinar, melhor ainda! Quanto mais diversidade, mais possibilidades de raciocínios e ideias à sua disposição.

2. Traga seu sponsor para perto

Toda inovação acaba tendo — de forma planejada, ou não — um patrocinador, um entusiasta. Basicamente, aquela pessoa ou instituição que se liga diretamente ao projeto, e que tem interesses firmes em que ele decole e seja bem-sucedido.

Por isso, identifique quem é o seu sponsor. Seja o seu cliente, algum superior na sua hierarquia, um parceiro ou até um grupo de pessoas, faça dele o seu braço direito na hora de correr atrás de verbas, recursos, prazos, ferramentas e metodologias que farão a diferença no processo de inovação.

E, se tudo começar sem um desses entusiastas do seu lado, tente conseguir identificá-lo ao longo do caminho. Assim, o seu trabalho ficará mais fácil e você terá alguém para dividir dúvidas e ideias, além de te ajudar a vencer os obstáculos que possam aparecer.

Inclusive, tenha a certeza de que ele comunga com seus objetivos, ideais e valores. Do contrário, você pode acabar arrumando mais problemas do que soluções.

3. Mantenha todos focados

Há quem diga que utilizar a mão de obra de cinco homens por um dia é a mesma coisa que usar um homem por cinco dias, mas, na verdade, as coisas não são tão simples assim.

Essa regra pode até ser aceita se estivermos tratando de atividades mais operacionais. Contudo, quando o assunto é trabalho intelectual — e, principalmente, inovação — tudo muda muito de figura.

Isso porque a inovação precisa evoluir de uma ideia original até a consolidação do resultado, e esse processo exige amadurecimento e muita reflexão sobre o assunto. É o tipo de coisa que não dá pra ficar retomando ou perdendo a linha do raciocínio toda hora.

Por isso, se puder escolher, tente ter menos tarefas e mais concentração. Evite ficar trocando demais a sua equipe de trabalho, em um ritmo que não dê para os envolvidos absorverem bem o conceito e produzir resultados relevantes.

Se for o caso, divida o time de maneira que cada grupo, conhecendo a abrangência do escopo, trabalhe em peças menores do quebra-cabeça. Assim, eles poderão se concentrar mais em um assunto, conseguir aprofundar o entendimento e oferecer soluções mais consistentes.

4. Crie protótipos

Geralmente, nossas ideias têm uma tendência muito maior de funcionar em nossas cabeças do que na prática. Pois é: se você acha que isso só acontecia com você, pode respirar mais tranquilo. Todo mundo, de um jeito ou de outro, passa pela mesma situação.

O que acontece é que, quando estamos envolvidos em um processo criativo, acabamos traçando uma linha de raciocínio que acaba desconsiderando algumas variáveis que afetarão o resultado do projeto, ou algum ponto no meio do seu caminho.

Justamente por isso é tão importante escrevermos e rascunharmos tudo aquilo que for aparecendo, e testar cada ideia.

Normalmente, esse modelo mais prático de gestão de inovação tende a ter mais sucesso. Afinal, à medida que vamos bombardeando o raciocínio com os problemas que aparecem pelo caminho, já vamos ajustando tudo ao ambiente real onde ele terá de se sustentar.

Então, faça desenhos, esquemas, modelos, miniaturas, rascunhe fluxos de processos, e tudo mais que te ajudar a ter uma noção mais concreta da sua inovação. Depois disso, reveja ponto a ponto onde e como as coisas podem dar errado.

Por fim, anote os ajustes necessários e confira tudo mais uma vez, até conseguir finalizar sua ideia de maneira mais estável e segura.

5. Faça parcerias

Sem dúvida, um projeto de inovação bem desenvolvido gera resultados para muitas áreas e pessoas. Então, aproveite esses resultados para conseguir parceiros.

Normalmente, eles se relacionarão com você e com a inovação de uma maneira diferente do que o sponsor — ainda assim, podem ser de grande ajuda para o sucesso. Nesse sentido, para conseguir tais aliados, reflita sobre quais resultados da inovação podem ser úteis para cada possível parceiro.

A diminuição de custos, geralmente, agrada ao financeiro; já os novos produtos podem ser desejados pelos clientes; uma maior rentabilidade chama a atenção do comercial; enquanto mais segurança, normalmente, deixa o pessoal do recursos humanos mais feliz; etc.

Enfim, pense estrategicamente e consiga aliados para ajudar no seu processo de inovação. Assim, você terá muito mais chances de atingir o sucesso!

E aí, gostou do post? Sobrou ainda alguma dúvida, ou tem mais alguma dica para ajudar na gestão de inovação? Deixe-nos o seu comentário e divida a sua experiência conosco!