Como manter um bom clima organizacional em tempos de crise?

Como sabemos, o mercado nacional foi impactado severamente pela crise político-econômica que eclodiu em 2014 e que se agravou em 2016. Um dos indicadores mais claros foram os dois anos seguidos de retração do PIB, resultando em uma queda de 3,8% em 2016.

Com a forte recessão econômica, a gestão do capital humano nas empresas ocupa um papel cada vez mais central nas organizações, porém, com recursos cada vez mais limitados. A taxa de desempregados em todo o Brasil, conforme dados do IBGE coletados em março, atinge 13,7% da população economicamente ativa.

Esse cenário também pressiona os trabalhadores que não estão desempregados. É comum o profissional sentir-se inseguro e com medo de cortes no quadro de colaboradores, ou encontrar-se sobrecarregado com o acúmulo de funções.

A crise também acaba gerando limitações de orçamento para iniciativas de melhoria de clima. Nesse contexto, o investimento na promoção de uma cultura de inovação surge como uma estratégia que permite melhorar o clima organizacional em tempos como esses e acaba colaborando também para a redução do turnover.

A seguir, saiba mais sobre como manter um bom clima organizacional em tempos de crise. Confira!

Feedback para garantir um bom clima organizacional e baixos índices de turnover em sua empresa

Se em tempos normais a chamada “rádio corredor” já opera, imagine em momentos de crise! A incerteza e a falta de canais efetivos fazem com que rumores organizacionais surjam, afetando o clima e os resultados das empresas. 

Para combater isso, uma das principais armas é a promoção de sessões frequentes de feedback com sua equipe. Reuniões para alinhamento de tarefas e para ouvir seu time ajudam a fortalecer o relacionamento e a confiança e a tornar o ambiente de trabalho mais sadio para todos.

Seus colaboradores se sentirão mais motivados e sua taxa de turnover diminuirá – de acordo com estudo, o feedback constante pode gerar redução de 14,9% nas taxas de turnover das organizações.

Reconhecimento de talentos para melhorar o clima organizacional e gerar inovação

Muitas vezes não é o salário o fator que mais motivará seu funcionário a ser engajado e a gerar bons resultados e um bom clima organizacional. Ocorre de colaboradores receberem salários acima do mercado, mas, ainda assim, manterem-se insatisfeitos.

Cada vez mais – e isso está ainda mais evidente na Geração Y que, conforme levantamento da Harvard Business Review,  irá, em breve, representar quase metade da força de trabalho mundial – as pessoas buscam ver sentido no que fazem e serem reconhecidas pelos resultados que atingem.

Por isso, é fundamental criar planos de carreira que deixem claras as perspectivas de crescimento possíveis na organização. Além disso, é importante, sobretudo por parte dos gestores mais imediatos, reconhecer os resultados obtidos e os bons desempenhos de suas equipes

Aquela prática antiga de incentivar um clima de competição entre os funcionários e fazer com que eles não se deem bem uns com os outros, percebendo-se como concorrentes, é coisa do passado e nada efetivo.

Para manter um bom clima organizacional e para gerar resultados e inovação nas empresas é necessário criar um clima positivo entre os funcionários, para que eles se ajudem, colaborem e façam a cocriação de soluções para a organização.

Conforme estudo, há uma relação entre colaboração e inovação, portanto, para se diferenciar e contar com ideias inovadoras e um bom ambiente de trabalho, estimule esse clima de colaboração na empresa.

O conceito da cultura de inovação e como ele pode ser adaptado em tempos de crise

A inovação surge quando se aproveita uma oportunidade latente identificada a partir do estabelecimento de ideias e relações com os públicos de interesse. Em um cenário de crise, no entanto, existem obstáculos particulares que podem dificultar que a relação de uma gestão com seus colaboradores possa se desenvolver. Porém, ao mesmo tempo, trata-se de um cenário que pode gerar oportunidades diferenciadas de ação, especialmente para o setor de Recursos Humanos.

A cultura de inovação tem como objetivo criar um ambiente que incentiva a geração contínua de ideias que, tendo espaço e estrutura para serem trabalhadas e implantadas de maneira ágil, melhoram o atendimento aos clientes, aumentam a produtividade e a eficiência nos processos.

E, em um momento de crise, mais do que nunca, a relevância dos colaboradores de sua empresa nessa equação torna-se ainda mais fundamental. É preciso incentivar a linha de frente, aqueles que lidam diretamente com o cliente, a participar desse processo de inovação e, por consequência, sentir que o ambiente da organização acolhe e prioriza ideias e sugestões de quem age na ponta de toda a operação da empresa.

Podemos ver exemplos práticos da cultura de inovação sendo introduzida em empresas como o Hotel Clarion, na Suécia. A implementação de uma gestão de ideias com foco na linha de frente fez com que o hotel quatro estrelas, localizado no centro de Estocolmo, gerasse a execução de 50 ideias por ano vindas de seus colaboradores.

Por meio de uma ferramenta digital que permitiu que as ideias dos funcionários pudessem ser emitidas e organizadas com maior facilidade, a gestão do hotel organizava reuniões semanais com seus departamentos, passando a limpo todas as questões pendentes que necessitavam de solução e tomando a decisão de quais ações seriam tomadas com base nas ideias apresentadas.

Essas ideias surgem a partir de percepções, visam ao interesse de todos e são insights que surgem de problemas que somente a linha de frente poderia identificar. E é a boa gestão de inovação que permite que essas ideias contribuam para o bom clima organizacional e para os resultados da empresa.

Transformando ideias em soluções para a boa manutenção do clima organizacional

Como vimos, um dos passos essenciais para manter um bom clima organizacional é dar voz a seus colaboradores. As pessoas querem ser ouvidas! Cerca de 80% dos participantes de um estudo afirmaram ser fundamental para sua satisfação que seu líder ouça suas ideias.

Porém, vale lembrar de que um programa de inovação implementado em sua empresa só tem possibilidade real de sucesso se há transparência e perspectiva a partir do gestor responsável pela condução do processo na empresa.

Uma cultura de inovação em tempos de crise depende ainda mais da colaboração de seus funcionários. Em virtude disso, é necessário pensar a estratégia tanto internamente, inovando os processos e implementando um sistema que permita coletar, discutir e executar a gestão de ideias, quanto externamente, analisando o mercado e verificando como conquistar poder humano e destacar a empresa pela inovação.

Uma forma de fazer com que os colaboradores estejam motivados a contribuírem em uma causa comum (no caso, a melhoria do ambiente da própria empresa e das soluções de mercado) é mostrando como essas melhorias podem ser implementadas de maneira concreta.

Empresas como a Zara, por exemplo, mantêm uma estrutura organizacional enxuta, composta somente de um designer, um responsável pelo setor comercial e um gestor de vendas. Essa configuração tem como objetivo diminuir custos, porém, agrega valor e gera aumento nas receitas.

Uma maneira de fazer com que o funcionário da linha de frente contribua envolve fazer com que ele tenha suporte e orientação de uma gestão focada em liderança ao sugerir melhorias para toda a organização.

Dessa forma, as ideias que nascem na linha de frente podem se tornar projetos reais que contribuem para a boa manutenção do clima organizacional. Os estímulos devem vir não somente porque a empresa exige do funcionário que ele desempenhe suas funções com excelência, mas também porque ele atua de forma estratégica e em um processo de valor inestimável para a empresa.

A cultura de inovação de sua empresa, se bem implementada, tem como consequência fazer com que seu colaborador sinta-se especial e com uma função bem definida para que toda a organização atue com sucesso no mercado.

Como a inovação em tempos de crise pode diminuir o turnover

Um quadro comumente associado à crise é a alta rotatividade de funcionários nas empresas, o famoso índice conhecido pelos gestores de RH como turnover. Nesse caso, a cultura de inovação precisa, antes de ser planejada e implementada, dar um passo pra trás e enxergar como a contratação do profissional está sendo realizada.

Um erro comum é pensar que a gestão do RH não precisa envolver as áreas operacionais (como recrutamento, seleção e folha de pagamentos) em sua estratégia de inovação, quando na verdade elas são igualmente responsáveis pelo processo.

É fundamental compreender que todas essas ações interferem nos resultados do negócio e no turnover da empresa. Por isso, antes mesmo de fazer com que a administração perca dinheiro contratando candidatos que podem ser demitidos, é necessário que a cultura de inovação permeie esses processos.

Onde a empresa está e onde ela quer chegar com a contratação ou demissão de determinado funcionário? Um pensamento estratégico nesse quesito faz toda a diferença na contratação das pessoas certas, especialmente em uma situação de recursos limitados.

Considerações finais

A crise, como grandes empreendedores já apontaram, é um momento no qual as oportunidades são redistribuídas no mercado. Transformações significativas podem ocorrer e o momento de transformar sua empresa é agora.

Investir em um programa de inovação torna possível a criação de políticas de reconhecimento e recompensas, tendo como base os resultados gerados em um sistema de input de ideias.

A valorização e o dinamismo do ambiente de trabalho são recursos poderosos em tempos nos quais a crise preocupa todos os profissionais, independentemente de sua posição na organização.

Tempos de crise são os principais momentos para lembrar que a gestão deve liderar e transformar ideias em melhorias de processos. E são as pessoas dentro da empresa que vão fazer com que essa jornada possa ocorrer.

Por isso, esse é o momento de pensar como fazer com que todos possam contribuir juntos em prol do mesmo objetivo e transformar a empresa com soluções inovadoras e que, afinal, sejam únicas e garantam bons resultados dentro e fora da organização.

E então, como você tem trabalhado a questão do clima organizacional na sua empresa? Você já possui alguma prática que contribui para redução do turnover ou que gera alguma melhora no clima organizacional? Participe dessa discussão, compartilhe suas dúvidas, experiências e ideias nos comentários!

Posts Relacionados
A cultura do empreendedorismo é benéfica não apenas para aqueles que querem começar o próprio negócio.
Seguir um processo criativo, muitas vezes, parece algo oposto ao pensamento que geralmente se tem
A criatividade é uma característica ligada diretamente à condição humana. No entanto, isso não significa que

Deixe uma resposta