Conheça a Gestão de Valor Agregado e conheça a fundo seu projeto

Gerenciar um projeto abrange o controle de diversos aspectos para que tudo ocorra conforme o planejado. No entanto, você pode conhecer os detalhes ainda mais a fundo se usar a Gestão de Valor Agregado (GVA).

Essa é uma ferramenta para avaliar a performance de determinado projeto. Para isso é feita a comparação entre o que foi planejado — e obviamente é esperado — e o efetivamente realizado. A partir disso, pode-se tirar lições a fim de aprimorar as ações executadas.

Neste artigo, vamos mostrar melhor o que é o GVA e quais são seus benefícios. Além disso, ensinaremos como você pode colocar esse instrumento em prática na sua empresa.

Quer saber mais? Então, acompanhe!

O que é Gestão de Valor Agregado?

Esse conceito envolve a análise de prazos e custos para mensurar a eficiência do projeto. O método é considerado um dos mais adequados por ser uma abordagem estruturada que abrange o escopo, os recursos e o cronograma para medir a evolução e a performance das ações.

Nesse contexto, a avaliação do desempenho é feita pela comparação entre custo real e valor agregado, conforme indicação do Guia PMBOK. Esse segundo elemento é o montante orçado para o projeto em um período de tempo específico.

Por sua vez, a evolução analisa o valor agregado e o compara ao planejado. A partir disso, definem-se os 4 principais vieses do GVA:

  • definição das linhas de base de tempo, escopo e custo antes mesmo de o projeto começar;
  • estabelecimento do ritmo para a efetivação do projeto, considerando tarefas, entregas e custos;
  • integração das linhas de base;
  • acompanhamento das atividades realizadas por meio dos indicadores do GVA.

O objetivo, portanto, é coletar os dados do projeto e interpretá-los a fim de fazer relações com escopo, custo e tempo. O resultado é a geração de informações que permitem responder algumas perguntas:

  • Quais atividades devem ser executadas?
  • Quando as tarefas devem ser finalizadas?
  • Quanto custará para as atividades serem terminadas?
  • Quais ações foram finalizadas?
  • Há desvios no cronograma?
  • Há desvios no orçamento?
  • As tarefas serão concluídas conforme o esperado?
  • Quanto tempo falta para a finalização do projeto?
  • Haverá variação de custo no final do projeto?

A partir dessas respostas consegue-se ter uma visão ampla do projeto e dos potenciais desvios, o que pode resultar em ajustes.

Quais os benefícios do GVA?

Esse instrumento apresenta diversas vantagens para a gestão de projetos. As principais são:

  • aprimoramento da mensuração para controle dos projetos;
  • melhoria no acompanhamento dos projetos, que ocorre desde o início até o fim;
  • identificação rápida dos resultados futuros, o que permite analisar tendências de prazos e custos;
  • aumento do aprendizado a partir da identificação de erros e falhas na execução do projeto;
  • eficácia na gestão dos recursos, por exemplo, humanos, dinheiro, tempo, entre outros;
  • comparação entre os desafios e as práticas indicadas pelo Project Management Institute (PMI);
  • elevação da efetividade na gestão do controle das mudanças;
  • aplicação a uma grande variedade de projetos, já que o tamanho e a complexidade não interferem nesse caso;
  • construção e efetivação das melhores práticas de gestão de projetos e suporte à governança corporativa por meio de uma mudança cultural proporcionada pelo GVA.

Qual a importância para a empresa?

Os benefícios para a organização já indicam que o GVA é uma técnica que deve ser implementada por todos os empreendimentos que trabalham com a gestão de projetos. No entanto, há outros pontos que confirmam a importância dessa prática para a empresa. Veja:

Contribui para tomadas de decisão mais eficazes

O processo de decidir qual caminho seguir se torna mais preciso porque o GVA apresenta dados que possibilitam a comparação entre o planejado e o realizado. Assim, o gestor consegue verificar diversos elementos (como valores gastos e cronograma) e optar pela melhor decisão.

Melhora a eficiência do controle e do planejamento do projeto

A boa gestão das informações é fundamental para a aplicação do GVA. Afinal de contas, a inserção de dados incorretos pode impactar a análise. Por isso, é preciso ampliar o controle e o planejamento para garantir que tudo esteja certo.

Complementa outros métodos de gestão de projetos

O GVA não impede a aplicação de outras metodologias. Pelo contrário: ele pode ser utilizado como complementação, aumentando a eficiência dos dados e das análises.

Como implementar o método?

Implantar o GVA passa por algumas etapas. No entanto, é preciso compreender primeiro os 3 componentes básicos desse método:

  • custo real: representa o montante aplicado para que o projeto seja finalizado;
  • valor planejado: é o custo previsto para o projeto, que precisa estar finalizado em algum período específico de tempo;
  • valor agregado: significa a medida do valor do projeto terminado em determinado período de tempo.

Esses componentes servem para calcular índices de performance e variações em relação à linha de base. Além deles, há alguns elementos básicos do GVA que são entradas e fórmulas de saída e ajudam a implementar o passo a passo dessa metodologia. Confira:

Índice de desempenho de prazos

É a comparação que analisa se a linha de base do cronograma está perto da evolução do projeto, ou seja, verifica se tudo ocorre conforme o planejado. A fórmula de cálculo é: valor agregado / valor planejado.

O objetivo é responder à pergunta: qual a proporção entre o que foi planejado e o que foi efetivamente finalizado? Valores acima de 1,0 mostram que o projeto está adiantado no cronograma ou há mais atividades do que o previsto para o ponto da medição.

Variação de prazos

Mensura a distância entre o projeto e a linha de base do cronograma. O cálculo é feito da seguinte forma: valor agregado – valor planejado. Se o resultado for positivo, o projeto está adiantado.

Índice de Desempenho de Custos (IDC)

Avalia se o orçamento do projeto está sendo investido de forma eficiente. A fórmula adotada para essa avaliação é: valor agregado /custo real.

A finalidade é responder à pergunta: qual a proporção entre o concluído e o pago? Resultados acima de 1,0 demonstram que o projeto paga menos do que o previsto para as atividades efetivamente executadas.

Variação de custos

Avalia a distância entre o projeto e a linha de base de custos em relação ao trabalho realizado. O cálculo é: valor agregado – custo real. O resultado positivo assinala que o projeto paga menos do que o previsto para a atividade finalizada.

O que essas avaliações representam? Se todo trabalho terminado apresentar resultados de performance de prazos de 1,0, pode ser que o desempenho do cronograma esteja sendo mascarado. Ou seja, vale a pena fazer uma análise mais aprofundada.

Nesse caso, vale a pena verificar o índice de desempenho de prazos dividido pela variação desses períodos do projeto em andamento. Desse modo, exclui-se o projeto já concluído.

Outra vantagem é fazer uma comparação entre esse resultado e o do projeto finalizado, que possibilita ter insights adicionais que beneficiam esse e outros projetos futuros.

Lembre-se de que a adoção de um software de gestão de projetos é o mais indicado para conseguir controlar todas as variáveis. Com o AEVO Project, por exemplo, você consegue planejar os projetos, controlar a execução deles e analisar e recuperar os desvios.

Assim, o projeto tem sucesso e é entregue no prazo combinado e com os custos respeitando o limite do orçamento.

Entendeu como a Gestão de Valor Agregado pode auxiliar a sua empresa? Agora é só implementar esse método e verificar os benefícios. Para conhecer outros assuntos relevantes, aproveite e assine a nossa newsletter.

Posts Relacionados
Consertar, modificar e criar produtos com as mãos, isso é ser um maker. A Cultura
Conheça mais sobre o design value thinking, framework que irá mudar o mindset da sua
Levando em consideração o fato de que o BIM está longe de ser auto-explicativo, é

Deixe uma resposta