Inovação organizacional: 3 abordagens para mudar o mindset dos gestores

Inovação - Mudança de Comportamento dos Gestores

Ideias inovadoras provenientes de colaboradores da linha de frente da empresa frequentemente se tornam inovações de grande valor para a organização. Isso ocorre porque os integrantes dessas equipes estão em contato direto com o cliente ou com os processos de produção e, portanto, conhecem os problemas existentes em detalhes e podem enxergar as soluções mais facilmente.

Essas inovações podem vir na forma de uma melhoria do produto (ou mesmo um novo produto), uma nova maneira de executar o processo de produção ou até mesmo procedimentos internos. Em geral, além de trazer diferenciais competitivos para a empresa, promovem o reconhecimento do “colaborador-inventor” e, portanto, melhoram o clima organizacional.

Isso mostra a importância de ter uma cultura de inovação na organização, pois ela pode levar a melhorias no atendimento a clientes e também na retenção dos melhores talentos da empresa.

Para dar o primeiro passo nesse sentido, é comum a necessidade de realizar modificações de comportamento especialmente voltadas para os gestores da organização. Tradicionalmente, espera-se que as ideias e inovações venham da camada gerencial e, por isso, pode ser desafiadora a mudança de paradigma para ouvir as ideias da linha de frente.

De acordo com o livro “Organização Guiada por Ideias”, de Alan Robinson e Dean Schroeder, separamos 3 abordagens simples com os gestores para implantar um programa de inovação eficiente na sua empresa.

1. Construa evidências para defender um programa de ideias

A primeira abordagem é utilizar a metodologia Racional ou Empírica. Ela leva em consideração o fator intelectual e pode ser baseada em experimentos-pilotos realizados em alguns departamentos durante o processo de implantação de um programa de inovação.

Utilize as ideias dos colaboradores e reconheça publicamente aquelas que tiverem melhor desempenho. Essa prática difunde a metodologia pela empresa, melhora o rendimento do funcionário e incentiva que ele e outros busquem novas ideias.

Prêmios, gratificações ou mesmo apenas o reconhecimento entre os demais colaboradores são também boas formas de demonstrar que a empresa valoriza a importância do colaborador no processo de inovação.

Essa difusão do valor das ideias inovadoras dos colaboradores é bem-vinda nesse momento de provar para as lideranças da empresa que um bom programa de ideias funciona

2. Crie mecanismos e instrumentos que coloquem a atividade de inovação como parte da rotina do gestor

Essa segunda abordagem utiliza uma metodologia mais Educativa ou Normativa. A ideia é incluir a identificação de problemas e a busca por ideias inovadoras como parte da rotina de trabalho dos gestores e sua equipe.

Algo muito simples de ser implementado é incluir na reunião semanal de cada área um espaço na pauta para a identificação e discussão de ideias inovadoras que possam ser implementadas para resolver problemas encontrados. Geralmente, é muito mais efetivo incluir esse assunto em uma reunião já existente do que criar um novo momento específico para esse fim.

Um outro elemento chave para enfatizar o processo é o que os gerentes japoneses chamam de “ir para o Gemba“. Em linhas gerais, o Gemba é definido como o lugar onde o trabalho está sendo feito e o valor está sendo produzido.

Em uma indústria, o Gemba pode ser o chão de fábrica. Em um hospital, pode ser as salas de atendimento a pacientes ou os corredores da enfermaria. O fato é que, ao ir para o Gemba, os gestores podem encontrar fatos e dados que revelam onde estão os problemas e, finalmente, onde visar ideias inovadoras para solucioná-los.

Ao visitar o Gemba para um olhar em primeira mão, os gerentes não têm que depender de linhas de comunicação tradicionais para obter informações, nem eles têm de saber se a informação foi eliminada como ele subiu através de camadas organizacionais.

Uma medida que oficializa a inovação como da rotina de trabalho da empresa é a instituição de um programa corporativo de ideias inovadoras. Em resumo, o processo é o seguinte:

  1. A alta administração define os principais desafios da empresa e lança campanhas para a equipe;
  2. Os colaboradores são convidados para enviar ideias inovadoras que possam para resolver os desafios.
  3. As ideias são avaliadas em um funil de inovação, de preferência com descentralização da aprovação, permitindo que as ideias mais simples ou com menor ou nenhum custo, possam ser aprovadas pelo primeiro nível de coordenação ou supervisão.

Essencialmente, essa troca ajuda a integrar conhecimento e poder. Softwares como o AEVO Innovate podem ajudar a sistematizar e dar transparência a esse processo, além de engajar melhor os colaboradores com rankings e reconhecimento.

3. Responsabilize o líder pelo desempenho das ideias implantadas

A última abordagem usa a metodologia de Poder Formal com o corpo de gestores, fazendo com que eles tenham que prestar contas sobre eficácia do programa de inovação.

Neste momento do processo de implantação do programa de inovação, é fundamental que o líder seja responsabilizado pelos resultados obtidos com as ideias implementadas pelos integrantes da sua equipe. Em última instância, o líder é cobrado como o responsável por fomentar e desenvolver a inovação em seu time.

Essa abordagem aumenta a garantia de que o gestor irá se envolver no processo e estimulará que as melhores ideias sejam colocadas em prática e que ele mesmo comece a cobrar engajamento dos colaboradores. 

Colocando ordem no caos das ideias

Nada irá adiantar ter todas essas abordagens se a alta direção da organização for completamente top-down. Comportamentos bottom-up precisam estar presentes em organizações empresariais modernas e atualizadas, onde todos os colaboradores possam dar ideias e ser ouvidos.

Esse comportamento segue o modelo de “semente”, onde uma pequena ideia começa como elemento básico e vai crescendo ao longo dos níveis hierárquicos da organização.

Para encerrar, é importante lembrar que a tradição e os elementos comuns da organização não podem ser dispensados, pois os mesmos já deram certo por muito tempo. Assim sendo, é importante saber usar o novo e o tradicional de forma consciente e sensata, de forma que um não atrapalhe o outro e pelo contrário, incentivo o próximo.

Seguindo todos esses passos, você saberá qual o contexto social em que a sua organização vive e, assim, compreender os diversos comportamentos das equipes durante o gerenciamento de um programa de inovação.

Veja mais sobre como aplicar a gestão da inovação em seu negócio clicando aqui.

Gostou desse artigo? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdos como esse na sua caixa de email.

Posts Relacionados
Se você é um empreendedor, empresário ou gestor de negócios, e quer criar uma plataforma
Embora inovar pareça ser uma decisão “no-brainer”, isto é, que nem exige muita reflexão para
Na gestão da inovação, é preciso saber como aumentar a eficiência de seu negócio. Para isso,

Um comentário em “Inovação organizacional: 3 abordagens para mudar o mindset dos gestores

Deixe uma resposta