O financiamento de uma estratégia orientada à inovação é uma opção que pode fazer toda a diferença para sua empresa e para viabilizar seus projetos. Com um planejamento bem estruturado em mãos, existem diferentes modalidades e formas de funding sob medida para o momento e as necessidades de seu negócio.

A seguir, você saberá um pouco mais sobre os diferentes tipos de funding que podem ser utilizados. Financiar as inovações em sua empresa por meio dessas iniciativas é um grande passo a ser tomado. Por isso, é preciso ter atenção a cada aspecto positivo e às exigências que essa decisão acarreta. Acompanhe e saiba mais!

1. Funding por meio de agências e linhas de fomento governamentais

O apoio financeiro para que um empreendimento possa implementar sua estratégia de inovação pode partir de linhas distintas. As linhas de fomento do governo, à princípio, podem parecer inacessíveis ou complexas. No entanto, com um acompanhamento proativo dos editais lançados, é possível obter um funding adequado ao que sua empresa precisa.

Dentre as agências e linhas de fomento governamentais, podemos destacar:

FAPESP

Essa Fundação de Amparo à Pesquisa foi fundada no estado de São Paulo e busca fomentar a pesquisa científica e tecnológica no país. Por meio de bolsas e auxílios à pesquisa, profissionais especializados podem contribuir fortemente para a inovação de sua empresa. Suas duas as linhas principais de fomento: a PIPE e a PITE.

A PIPE (Pesquisa Inovativa na Pequena e Micro Empresa) contribui com R$ 200 mil para que seja desenvolvido um protótipo e até R$ 1 milhão para produzi-lo, caso o protótipo cumpra com o esperado. É importante considerar, no entanto, que o fornecimento do pesquisador pela FAPESP implica no direito da patente resultante desse processo.

O PITE (Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica), por sua vez, tem escopo maior. A qualquer momento, caso sua empresa esteja apta, é possível fomentar a inovação por meio de projetos de maior risco. Geralmente, esse programa conta com linhas para projetos de risco, voltados para empresas de maior porte.

Ambos os programas contam com suas instruções e formas específicas de solicitação. Informe-se mais a respeito do PIPE e o PITE no site oficial da FAPESP.

BNDES

Linha de capital de fomento voltada para o aspecto financeiro da inovação. Ao contrário do caráter científico e tecnológico, o Banco Nacional é uma empresa pública federal que fomenta o desenvolvimento econômico.

As opções de financiamento abrangem empresas dos mais diferentes segmentos.

Ao buscar a linha de fomento do BNDES, certifique-se sobre qual das opções é a mais adequada para sua empresa. Existem condições especiais para empresas de micro e de pequeno porte. Portanto, o BNDES é uma opção quando não é possível um funding facilitado nas linhas de crédito disponíveis no mercado.

Embora não exija um projeto redigido, o BNDES tem cronograma e requerimentos de prestação de contas bem definidos. Portanto, é recomendado que sua empresa interessada em projetos ligados à inovação dedique um profissional para fazer esse contato. Essa é uma boa prática especialmente se a organização nunca teve experiência com a elaboração de relatórios e contato com os fornecedores e prestadores de serviço do Banco.

FINEP

As linhas e os programas da Financiadora de Estudos e Projetos fornecem apoio científico e tecnológico. Seu apoio cobre todas as etapas do ciclo de desenvolvimento, da pesquisa até mesmo à incubação de empresas da área tecnológica. Assim como a FAPESP, é necessário o cadastro e a apresentação da proposta.

Os recursos do financiamento podem ser reembolsáveis, não reembolsáveis e investimento. Com fontes de orçamento do governo, a atuação da financiadora pode ser acompanhada por meio de seus editais. É possível conferir, nas áreas Finep Inovação e Portal Empresa, mais informações sobre propostas de financiamento e cadastro de novas empresas.

2. Aceleração de projetos de inovação por Venture Capital e Private Equity

Nessa modalidade, caracteriza-se o funding pelo investimento de terceiros. A aceleração de sua empresa, caso já tenha um bom faturamento, vem da aquisição de ações e demais valores mobiliários.

O Venture Capital é uma modalidade mais voltada para empresas ainda em fase inicial de seu desenvolvimento. Portanto, caso o funding em inovação de sua empresa ainda esteja ligado ao início de sua jornada, essa é uma opção sustentável.

Já o Private Equity busca empresas que já transitam para a sua fase de amadurecimento, consolidando, expandindo ou até mesmo reestruturando totalmente seus negócios principais.

Em ambos os casos, é importante considerar que a relação da inovação tem um caráter menos científico e de fomentação. No caso, o financiamento da inovação é resultado de um grande fundo de investimentos. Portanto, é uma opção de alto risco de investimento, que exige uma gestão alinhada.

No caso do Venture Capital, investidores participam da tomada de decisão. Já o Private Equity, por ser voltado a empresas que já lidam com crescimento, tem fundos voltados para os aspectos mais operacionais ou de reestruturação financeira.

3. O Investidor Anjo e seu papel no funding da inovação

Diferentemente do modelo de fundo de investimentos do Venture Capital e Private Equity, o investidor anjo é uma pessoa física. Com seu próprio capital, seu trabalho é identificar o potencial de empresas em crescimento (startups).

Nessa relação, o investimento ou funding das estratégias de inovação ganha um caráter mais consultivo. Geralmente, o investidor anjo parte de uma carreira sólida de sucesso em seus empreendimentos.

Procurando aplicações de alto retorno, o investidor anjo oferece os seus conhecimentos na área em que sua empresa atua. Tudo isso objetivando que seu negócio atinja o sucesso esperado por ambas as partes.

4. Aceleradoras, uma nova modalidade de incubadoras de startups

Fundações governamentais, fundos de investimento e pessoas físicas não são as únicas modalidades de funding. A inovação de sua empresa pode também aplicar-se a uma aceleradora. O foco das aceleradoras está em startups que buscam apoio financeiro.

Para a captação e seleção de negócios em potencial, as equipes das aceleradoras oferecem serviços de consultoria, espaço de trabalho coworking, e treinamento. Tudo isso é realizado em eventos pontuais, de curto período. Em troca, as aceleradoras ganham participação nas ações da empresa.

Para alavancar os projetos de inovação de uma empresa, as aceleradoras são uma opção indicada inclusive para os demais casos que vimos anteriormente.

Durante o programa, um dos objetivos das aceleradoras é tornar as propostas de seu empreendimento mais atrativas para investidores em potencial. Por isso, os programas de aceleradoras comumente culminam no chamado Demo Day, quando as empresas podem apresentar seu projeto de inovação a Venture Capitals ou investidores anjo.

Considerações finais

O investimento em inovação, para que tenha um funding ou financiamento sustentável, deve ter seu foco e alinhamento já previamente estabelecidos. Os objetivos que a estratégia da empresa busca são totalmente relevantes para a linha de fomento ou modalidade mais apropriada.

Em todo caso, é imprescindível que seu negócio tenha uma gestão de inovação com a autonomia necessária para tomar essa decisão. Um planejamento robusto e a definição correta do que a empresa precisa para levantar recursos para sua inovação são essenciais.

Você já conhecia os tipos de funding que apresentamos aqui? Ficou com alguma dúvida? Tem alguma experiência de financiamento de projetos de inovação para compartilhar? Deixe sua mensagem nos comentários e até a próxima!