Intraempreendedorismo: como e porque estimular na empresa

Empreendedores corporativos

Se você é um gestor de empresas, três coisas são muito prováveis: você tem um perfil empreendedor, você lidera uma equipe e você já percebeu que esse mesmo perfil empreendedor também deve ser incentivado nos membros da sua equipe.

Nós não estamos falando sobre ações para levar seus funcionários a sair da empresa em busca do sonho de abrir o próprio negócio. Pelo contrário; trata-se de ações que vão levar seus funcionários a empreender a favor da empresa. Esse é o chamado intraempreendedorismo ou, como também é chamado, a formação de empreendedores corporativos.

Nesse artigo, você vai aprender o que é intraempreendedorismo, porque é importante e como ele pode ser incentivado dentro de uma organização.

O que é intraempreendedorismo

O intraempreendedorismo é a iniciativa empreendedora que não é focada em iniciar uma organização própria e nova, mas que é voltada a colaborar para uma organização na qual o indivíduo já está inserido e da qual ele não é, necessariamente, o fundador.

Para que você entenda melhor, aqui vai um exemplo do empreendedorismo e uma comparação com o intraempreendedorismo.

Imagine um profissional de tecnologia da informação que trabalha em uma empresa de software “A”. Nessa empresa, ele percebe que os clientes têm uma dor não atendida e que representa uma oportunidade. Com essa informação, ele sai da empresa e começa seu próprio negócio, tentando oferecer uma solução para essa dor como diferencial competitivo. Esse é um exemplo clássico de empreendedorismo.

Agora, imagine que esse mesmo profissional pegue a informação que ele coletou a partir de suas observações. Então, sob a supervisão do seu gestor e com a colaboração do resto da equipe, ele desenvolve um projeto para que a empresa “A” possa atender essa dor dos clientes. Com isso, a empresa em que ele trabalha consegue inovar, o que é bom para os seus resultados em geral. Esse é um exemplo de intraempreendedorismo.

Perceba que a base dos dois é a mesma: a observação de riscos e oportunidades, e o desenvolvimento de soluções. O que difere é o que o colaborador decide fazer com sua visão: usar para si mesmo ou colocar a serviço da organização em que trabalha. E nenhuma das duas alternativas é errada, mas não é preciso ser um gênio para entender qual delas a sua empresa deve preferir, não é?

Por que o intraempreendedorismo é importante

Afinal de contas, será que é mesmo importante ter empreendedores corporativos na sua equipe? Será que é importante incentivar e reconhecer iniciativas empreendedoras dos seus colaboradores? A resposta, nos dois casos, é sim. E existem pelo menos três bons motivos para isso.

É melhor que os empreendedores estejam com você, do que contra você

Vamos ser honestos e objetivos. Se uma pessoas tem perfil empreendedor, ela pode colocar essa característica em ação de duas maneiras: ou criando seus próprios negócios, ou colaborando com a organização na qual ela trabalha. De uma maneira ou de outra, a sua criatividade vai pedir um escape. Quando isso acontecer, é melhor que ela esteja ao seu lado porque, do contrário, ela vai se tornar um forte competidor.

Essa não é uma mera paranóia. Pense no setor de tecnologia: muitas empresas grandes compram competidores extremamente menores e recrutam seus fundadores para o próprio time. Não é que a concorrência seja forte no momento, mas elas reconhecem que o espírito empreendedor da pessoa por trás daquela pequena iniciativa pode levar a uma concorrência forte no futuro. Então, é melhor tê-lo fortalecendo sua equipe do que criando obstáculos do lado de fora.

Sem incentivo, os melhores funcionários vão embora

Mesmo que você deixe de lado a possibilidade de que o funcionário se torne um competidor, ainda é aconselhável apoiar o intraempreendedorismo. Do contrário, você vai notar que seus melhores funcionários vão em busca de emprego em organizações mais abertas e descentralizadas.

Por que isso acontece? Bom, a razão está na noção de realização profissional. Para muitos profissionais, ela está associada a um ambiente que favoreça um certo nível de autonomia e que reconheça as realizações individuais. Exatamente a autonomia que é exercida para elaborar uma ideia e colocá-la em prática, que é o centro do intraempreendedorismo. E o reconhecimento que vem após o sucesso da iniciativa.

Resumindo, portanto, um profissional que tem perfil intraempreendedor, mas não encontra na sua organização as condições para colocá-lo em ação sente-se pouco realizado, como se não tivesse espaço para atingir seu pleno potencial. Então, ele tem uma chance maior de “abandonar o barco”.

Um empreendedor corporativo pode impulsionar a inovação

Nós já mencionamos a relação entre intraempreendedorismo e inovação anteriormente; agora, vamos explicar melhor o que isso quer dizer.

O empreendedor corporativo é aquele que está sempre atento a riscos e oportunidades. Eventualmente, ele vai notar possibilidades que até mesmo os gestores da empresa deixaram passar. Além disso, por natureza, ele tem uma tendência a realizar — isto é, a transformar sua idéia em realidade. Assim, ele ajuda sua empresa a dar saltos de inovação que não seriam viáveis se apenas os gestores tivessem iniciativa.

Cada inovação, cada oportunidade aproveitada ou risco evitado, é uma vantagem competitiva sobre os seus concorrentes. Especialmente, é claro, sobre aqueles que não apoiam o intraempreendedorismo.

Como incentivar o intraempreendedorismo

Agora, você não tem mais dúvidas de que o intraempreendedorismo é importante para sua organização. A questão passa a ser como você pode incentivá-lo, não apenas naquele colaborador que já apresenta um perfil de empreendedor corporativo, mas em toda a equipe.

Demonstre interesse nas opiniões — todas elas

Muitos profissionais que têm potencial para o intraempreendedorismo nunca demonstram, porque eles não sentem que há abertura ou demanda para suas ideias. Portanto, a primeira dica não poderia ser mais simples: o gestor deve demonstrar interesse nas opiniões de seus colaboradores. Nem todas serão relevantes ou viáveis, mas essa postura ajuda a criar um ambiente propício para iniciativas.

Garanta reconhecimento

A pior coisa que um gestor pode fazer em relação a um empreendedor corporativo de sua equipe é aproveitar os resultados do seu esforço, sem o reconhecimento merecido. Se um colaborador desenvolver um projeto empreendedor a favor da empresa, e ver os créditos serem atribuídos a outra pessoa, ou mesmo receber somente o simbólico tapinha nas costas, ele não vai se incomodar em repetir o feito uma segunda vez.

Implante um programa de ideias

Como nós já dissemos lá no começo, o colaborador traz um insight e a disposição para colocá-lo em prática, mas ele precisará do apoio do gestor e da equipe para gerar resultados concretos. Implantar um programa de ideias e definir um canal de comunicação é uma excelente forma de aproveitar o potencial de melhoria advindo das ideias dos empreendedores corporativos da sua organização e também estimular este comportamento intraempreendedor nos demais colaboradores.

Nesse post, você teve a oportunidade de entender o que realmente significa intraempreendedorismo. Também descobriu porque e como incentivar o funcionário que tem perfil de empreendedor corporativo

Agora, queremos a sua opinião. Como você faz para aproveitar melhor o potencial dos colaboradores que apresentam esse perfilde? Conte para nós, deixando um comentário logo abaixo!

Posts Relacionados
A cultura do empreendedorismo é benéfica não apenas para aqueles que querem começar o próprio negócio.
Você certamente já viu uma caixa de sugestões, já usou, ou já aplicou em sua
Não é muito difícil entender o que é endomarketing: trata-se de utilizar técnicas e ferramentas

Deixe uma resposta