BSC (Balanced Scorecard): o que é e quais as 4 perspectivas

BSC (Balanced Scorecard, em inglês) significa Indicadores Balanceados de Desempenho, e é um modelo de gestão que serve para medir a performance das ações corporativas, permitindo que pessoas gestoras tomem decisões bem embasadas, considerando tudo aquilo que gera valor à empresa.

O BSC é uma metodologia de gestão estratégica, que ajuda as empresas a definirem as suas estratégias e a traduzirem o planejamento em iniciativas.

Em uma organização, é fundamental que um gestor e todos os colaboradores compreendam a importância da estratégia para garantir o crescimento sustentável no mercado.

Nesse sentido, o BSC é fundamental, já que abrange todos os aspectos da gestão corporativa que são importantes para as ações e tomadas de decisões.

A metodologia é considerada uma ferramenta-chave para trazer resultados transformadores às empresas.

Para quem busca alcançar bons resultados e conquistar seus objetivos de longo prazo, é essencial conhecer melhor sobre a metodologia do BSC, seus pilares, e como implementá-la com eficácia. Siga a leitura.

O que é BSC?

BSC (Balanced Scorecard, em inglês) significa Indicadores Balanceados de Desempenho, e é um modelo de gestão que serve para medir a performance das ações corporativas, permitindo que pessoas gestoras tomem decisões bem embasadas, considerando tudo aquilo que gera valor à empresa.

Com o BSC, as lideranças têm uma bússola nas mãos e podem apontar as ações diretamente para o que importa. Dessa maneira, a equipe não perde o foco e nem anda em círculos no curso do planejamento estratégico da organização.

Esse método é famoso por atuar com equilíbrio sobre as diversas áreas do negócio. Isso quer dizer que se trata de um framework de gestão de indicadores abrangente, que não se limita em considerar apenas o desempenho financeiro de uma organização.

Quando o BSC foi criado, no início dos anos 90, os seus desenvolvedores, Robert Norton e David Kaplan, queriam destacar que, com as mudanças na indústria, diversos valores “não econômicos” também se tornaram importantes para a evolução das empresas.

Utilizar o Balanced Scorecard é reconhecer que a performance de outros fatores críticos, tais como clientes, processos internos, inovação, tecnologia e aprendizagem, é crucial para estratégias bem sucedidas.

Dessa forma, ele vai além do pensamento limitador dos sistemas de gestão tradicionais.

Leia mais:
Gestão Estratégica: o que é, os 4 tipos e características

Software de Gestão de Metas: saiba como pode potencializar seus resultados

Como funciona o BSC?

O BSC analisa cada um dos pontos importantes do negócio, mas não faz isso isoladamente. Muito pelo contrário: a análise acontece de forma integrada.

Ou seja, todas as medidas, sejam da área de inovação, contábil ou de marketing, por exemplo, são mapeadas e projetadas para serem interdependentes.

Podemos simplificar essa dinâmica dizendo que elas “conversam entre si”, de modo que a melhoria em uma área pode levar a melhorias em outras, resultando em um desempenho geral mais sustentável e, por isso, mais satisfatório.

Dessa maneira, o BSC funciona muito bem em qualquer empresa e sua eficácia vem sendo comprovada desde a origem.

De lá para cá, o modelo evoluiu ainda mais e passou a ser implementado por empresas de todos os tamanhos e setores para ajudar a definir, monitorar e ajustar sua estratégia ao longo do tempo.

Isso porque o BSC se mostra bastante flexível, permitindo que as organizações adaptem suas medidas de desempenho de acordo com as necessidades específicas que vão surgindo a cada ciclo.

E por falar em flexibilidade, o modelo pode ser usado tanto para planejar novas iniciativas quanto para avaliar a eficiência de projetos existentes, ajudando a manter a equipe alinhada a qualquer tipo de estratégia corporativa.

Um dos principais pontos de dúvidas relacionados ao BSC é sua similaridade com outras estratégias de gestão de metas, como os OKRs. No vídeo abaixo, explicamos as diferenças entre eles e como funcionam dentro da estratégia, confira:

YouTube video

Os 4 pilares do BSC

BSC e seus 4 pilares

Considerando os fatores críticos de um negócio, Norton e Kaplan definiram quatro pilares, ou perspectivas, fundamentais para o BSC, de forma a construir esse modelo completo que conhecemos hoje.

Os pilares são o financeiro, o de clientes, o de processos internos e o de aprendizado e crescimento.

Mas, antes de ser apresentado aos 4 pilares, você precisa saber as razões para usá-los.

Por que usar as 4 perspectivas do BSC?

Visto que pouquíssimas estratégias de sucesso utilizam apenas um ponto de vista, desenhar planos a partir de várias dimensões, como no BSC, é a escolha mais acertada a se fazer.

Ampliando seu horizonte e considerando diferentes pilares, a gestão vai conseguir tomar decisões e conduzir ações realistas e relevantes para o negócio.

Os 4 pilares do BSC também são chamados de perspectivas, e cada uma delas representa os aspectos mais importantes para o desempenho organizacional.

Em ordem, elas são:

  1. Perspectiva Financeira;
  2. Perspectiva de Clientes;
  3. Perspectiva de Processos internos;
  4. Perspectiva de Aprendizagem e crescimento.

Essas perspectivas devem ser adotadas como se fossem as quatro rodas da sua estratégia: quando todas se movem de forma conjunta e equilibrada, podemos atingir qualquer destino traçado. Mas, se uma perde o alinhamento, teremos que parar, ou aumentar a pressão colocada sobre as demais.

Com elas, as organizações podem avaliar seu desempenho de maneira holística e fazer ajustes necessários para garantir que estejam progredindo rumo à realização de sua visão de negócios.

Entenda mais sobre os 4 pilares do BSC. Siga a leitura.

1. Perspectiva financeira

A perspectiva financeira não deixa de ser uma das mais importantes para o negócio.

Afinal, quanto maior for o capital financeiro da empresa, mais recursos ela tem para investir em outras áreas.

Com isso, queremos dizer que a perspectiva financeira torna todos os objetivos, inclusive os “não-financeiros” viáveis.

Sob este pilar, o objetivo do negócio é garantir que haja resultados como lucro, crescimento da receita e retorno sobre o investimento.

2. Perspectiva do cliente

A empresa sempre desenvolve suas ações com foco no cliente, de forma indireta ou direta.

Nesse sentido, a perspectiva do cliente se concentra na satisfação do cliente e nas expectativas que eles têm em relação à empresa. Isso inclui fatores como qualidade do produto, atendimento ao cliente e tempo de resposta.

Essa perspectiva ajuda a garantir que a empresa esteja fornecendo produtos e serviços que atendam às demandas do seu público-alvo, proporcionando soluções para suas necessidades e desejos.

3. Perspectiva dos processos internos

Esta perspectiva se concentra nos processos internos que a empresa utiliza para entregar seus produtos e serviços.

O objetivo é elevar o desempenho nas operações para alcançar um alto nível de excelência. Para isso, é comum ocorrer investimento em inovação dos processos,  implementação de novas tecnologias e ferramentas.

As melhorias podem ser vistas no aumento da agilidade, qualidade e produtividade desses processos, além da redução de desperdícios e riscos.

4. Perspectiva de aprendizado e crescimento

A perspectiva de aprendizado e crescimento trata de olhar o conjunto de conhecimentos e habilidades existentes no ambiente de trabalho como chave para o sucesso.

Aqui, a empresa assume que precisa desenvolver seu capital humano através de treinamento e capacitações, além de melhorar a infraestrutura e equipar a empresa com tecnologia para que os colaboradores demonstrem todo o seu potencial.

Ou seja, investir no banco de talentos e na satisfação dos funcionários é uma forma de investir, também, na capacidade da empresa em aprender e crescer ao longo do tempo.

Mais do que aumentar a produtividade e qualidade do trabalho, essa perspectiva garante que a empresa está se preparando para o futuro e se adaptando às mudanças no mercado.

Elementos do BSC

Os pilares do BSC incluem, também, quatro elementos-chave que ajudam a compor a estrutura do modelo: objetivos, indicadores, metas e iniciativas.

Cada um deles desempenha um papel importante na implementação bem-sucedida do Balanced Scorecard.

Em conjunto, os quatro elementos do BSC ajudam a organização em aspectos como:

  • Estabelecer e implementar uma estratégia clara e equilibrada;
  • Avaliar o desempenho de uma forma abrangente;
  • Manter o foco ajuda no alcance dos objetivos estratégicos.

Objetivos

Na estrutura do BSC, os objetivos são declarações que refletem a visão e a estratégia de longo prazo da organização.

Eles são, ao mesmo tempo, a finalidade da empresa e o ponto de partida do BSC, de modo que ajudam a garantir que todos os esforços giram em torno de um ponto em comum.

Por serem complexos e amplos, os objetivos são fragmentados em metas mais específicas que ajudam a pormenorizar a análise e focar em resultados mais concretos.

Indicadores

Os indicadores se referem às medidas quantificáveis que ajudam as equipes a monitorar a performance da organização, na busca por seus objetivos estratégicos.

Existem indicadores específicos para cada área do negócio e eles são escolhidos cuidadosamente para que cada aspecto seja colocado na balança e avaliado.

É importante ressaltar que os dados obtidos através dos indicadores são importantes não apenas para a perspectiva de origem: eles podem servir também para embasar decisões nas demais perspectivas.

Metas

As metas são as partes em que se os objetivos se dividem. Elas definem os resultados que a organização deseja alcançar e que vão ser mensurados pelos indicadores.

Estabelecer metas abre precedentes para as ações que as equipes vão desempenhar, ajudando a manter todos os envolvidos focados na implementação da estratégia.

Para serem consideradas boas metas, elas precisam ser específicas, quantificáveis, realistas e relevantes para a empresa, além de terem um prazo determinado para serem alcançadas.

Iniciativas

As iniciativas são o conjunto de medidas e ações que a organização toma para alcançar suas metas.

Elas são implementadas de forma coordenada ao longo da estratégia, mas, antes disso, passam por um planejamento prévio, dentro de um plano de ação.

O plano de ação é um documento onde são descritas as iniciativas e todos os detalhes importantes sobre elas, como o prazo para conclusão e como executar.

Concluídas com sucesso, as iniciativas irão demarcar pequenas vitórias ao longo de uma estratégia, levando a empresa para cada vez mais perto do seu propósito.

Como aplicar o BSC na empresa?

Para utilizar o BSC na sua empresa, você precisa considerar algumas etapas e ferramentas. A possibilidade de sucesso do modelo aumenta conforme você garante que não está deixando nenhum desses itens importantes de lado.

Entenda melhor como aplicar o BSC na empresa em 5 passos:

1. Crie o mapa estratégico

O mapa estratégico é a ferramenta que traz a estratégia do negócio para uma linguagem visual.

Sua função é extremamente relevante e necessária, já que, por ter uma forma gráfica, ajuda a comunicar tudo de forma mais clara e fácil de entender.

Assim, ele é basicamente a essência do BSC! É aquilo que torna a metodologia tão intuitiva e compreensível.

De forma geral, o mapa estratégico ajuda a garantir que os esforços da empresa não fiquem dispersos, muito pelo contrário: todos estarão alinhados com visão corporativa e estratégia de longo prazo.

Para criar o mapa estratégico, é necessário:

  • Identificar os principais objetivos estratégicos; 
  • Classificar os objetivos em perspectivas;
  • Criar links de causa e efeito entre os objetivos estratégicos de cada perspectiva;
  • Determinar os indicadores-chave de desempenho para cada objetivo estratégico;
  • Escrever a descrição do objetivo em detalhes;
  • Adicionar iniciativas específicas que a empresa irá implementar para alcançar seus objetivos estratégicos;
  • Revisar e refinar o mapa estratégico.

Ao seguir esses passos, você poderá criar um mapa estratégico conciso que ajudará a comunicar a estratégia da empresa com bastante clareza.

Leia mais em:
Mapa estratégico: o que é, função e os 4 pilares

2. Defina objetivos e indicadores

Uma estratégia corporativa só é estratégica de verdade com a definição de objetivos e metas.

No BSC, e em outros modelos de gestão, esses dois elementos trabalham juntos para ajudar a empresa a monitorar o próprio progresso e ajustar a sua estratégia quando necessário.

Pense da seguinte forma: os objetivos vão indicar o lugar que você quer alcançar e os indicadores darão as pistas que ajudam a empresa a chegar lá.

Leia mais em:
Como definir metas? Dicas práticas e planos de ação

3. Desdobre Metas

Depois de ter definido metas claras e alcançáveis, o desdobramento dessas metas permite que a organização identifique as ações que precisam ser tomadas para alcançá-las.

O desdobramento de metas é, portanto, um processo que envolve a divisão de objetivos gerais em metas menores e mais específicas.

Ao serem fragmentadas, essas metas são atribuídas a diferentes áreas ou departamentos da empresa, permitindo que cada um trabalhe de acordo com suas atribuições, mas sempre em direção a um objetivo comum.

4. Alinhe com os colaboradores

Quando a liderança e os demais funcionários estão em sintonia, é mais provável que a empresa tenha êxito na implementação da estratégia. Por isso, é importante que haja alinhamento com os envolvidos.

Ter alinhamento com os colaboradores significa garantir que todos na organização estão trabalhando em direção ao mesmo propósito, mesmo que as pessoas façam partes de setores diferentes e sigam as rotinas específicas de suas funções.

Alinhar os colaboradores envolve, principalmente:

  • Definição de metas claras e alcançáveis para os funcionários de cada setor, de acordo com suas responsabilidades na estratégia;
  • A comunicação clara e consistente da estratégia e dos objetivos da empresa através de reuniões, feedbacks e ferramentas que forneçam mais transparência ao processo.

5. Faça acompanhamentos e revisões

Traçar objetivos e metas, e alinhar a equipe em torno dessas definições, ainda não é a reta final do BSC. O processo que se desenrola depois disso ainda precisa ser acompanhado e revisado.

A gestão deve se certificar que tudo está funcionando como esperado para ter mais confiança nos resultados.

Dessa forma, se a liderança monitorar de perto e, continuamente, revisar a evolução dos resultados, conseguirá identificar e corrigir eventuais problemas e ajustar o plano de ação sempre que for necessário.

Em poucas palavras, o acompanhamento e a revisão são duas ações que andam de mãos dadas para fazer a diferença na estratégia de implementação do BSC.

Veja um pouco mais sobre ambos os processos:

  • O acompanhamento: envolve coleta de dados relevantes para avaliar o progresso  da estratégia em relação às metas estabelecidas;
  • As revisões: são momentos em que as lideranças se reúnem para avaliar o progresso e discutir as ações que vão ser tomadas em seguida.

Saiba como fazer essa tarefa na prática, acessando o vídeo abaixo:

YouTube video

Benefícios do Balanced Scorecard (BSC) nas empresas

Os benefícios do Balanced Scorecard nas empresas vêm sendo reconhecidos há algumas décadas, desde a sua criação.

Ao adotar essa metodologia como um meio para concretizar seus propósitos, as organizações podem conseguir vantagens como:

Melhoria na comunicação e execução da estratégia

Com o BSC, a estratégia da empresa é traduzida de maneira clara através de objetivos mensuráveis, que podem ser facilmente comunicados e entendidos por todos os colaboradores da organização.

Consequentemente, a boa comunicação ajuda a garantir que todos estão conectados aos objetivos estratégicos, sabendo qual o seu papel para alcançá-los.

Análise e monitoramento de resultados otimizados

A partir do conjunto de indicadores que compõem o BSC, é possível extrair informações que baseiam a análise e o monitoramento regular do desempenho do negócio nas suas diferentes perspectivas.

Alinhamento entre colaboradores e a empresa

Com o BSC, a empresa garante que todos os colaboradores estejam cientes da estratégia corporativa e saibam como suas atividades contribuem para alcançar os objetivos estratégicos. Esse alinhamento contribui para criar engajamento entre os colaboradores.

Visão simplificada do planejamento

O mapa estratégico usado no BSC ajuda a ilustrar a relação entre os objetivos estratégicos e os indicadores de desempenho. Isso ajuda a tornar a estratégia mais clara e fácil de entender, mesmo para pessoas que ainda não têm experiência em planejamento estratégico.

Conclusão

O BSC é uma ferramenta valiosa para qualquer organização que deseja melhorar suas estratégias e alcançar seus maiores objetivos. Essa metodologia se baseia no equilíbrio e interrelação entre vários fatores importantes do negócio, comunicando claramente onde e como as equipes precisam agir para conquistar as metas estratégicas.

A excelente comunicação que o BSC proporciona pode ficar ainda mais transparente e acessível quando mediada por uma ferramenta de gestão como a Solução de Gestão de OKRs e Estratégia do AEVO, que otimiza e centraliza as informações.

Solicite uma demonstração e saiba como o módulo de estratégia e OKRs pode te ajudar a ampliar seus resultados.

Perguntas Frequentes

O que é BSC e suas 4 perspectivas?

O BSC (Balanced Scorecard) é um modelo de gestão que serve para medir o desempenho da estratégia corporativa e otimizar ações para obtenção de melhores resultados, baseado em 4 perspectivas (Perspectiva Financeira; Perspectiva de Clientes; Perspectiva de Processos internos; Perspectiva de Aprendizagem e crescimento).

O que é BSC no planejamento estratégico?

O BSC, enquanto método de gestão, faz com que a empresa tenha uma bússola para direcionar as ações a longo prazo, garantindo a execução do planejamento estratégico. Dessa maneira, a equipe não perde o foco e nem anda em círculos no curso do planejamento estratégico da organização.

Livia Nonato

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atua na área de marketing, content e SEO há quatro anos, tendo como principal foco a otimização para mecanismos de busca, gestão e crescimento dos canais de aquisição orgânico, performance e growth. Experiência e conhecimento em SEO para empresas B2B e produtos complexos. Atualmente, é analista de SEO na AEVO e aborda temáticas de inovação e tecnologia como redatora do blog AEVO.

Livia Nonato

Livia Nonato

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atua na área de marketing, content e SEO há quatro anos, tendo como principal foco a otimização para mecanismos de busca, gestão e crescimento dos canais de aquisição orgânico, performance e growth. Experiência e conhecimento em SEO para empresas B2B e produtos complexos. Atualmente, é analista de SEO na AEVO e aborda temáticas de inovação e tecnologia como redatora do blog AEVO.

Compartilhe o post

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sidebar versão 2 para o copy AEVO One-Stop Shop de Inovação

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com nossos conteúdos sobre o universo da Inovação.