Como criar um comitê de inovação na sua empresa?

O comitê de inovação é um grupo de profissionais com as mais variadas formações e atuações, responsável por fomentar a inovação dentro de uma empresa e com objetivo de potencializar resultados e alcançar metas através de processos criativos.

A inovação tem ganhado grande destaque nas organizações e a aderência a esse mindset inovador está diretamente ligado ao potencial de melhoria contínua, tanto dos produtos como da própria organização.

Esse artigo tem como objetivo ajudar profissionais que estão buscando implantar um Comitê de Inovação dentro da sua organização, mas não sabem muito bem como fazer isso.

 

O que você vai aprender nesse artigo:

  • Como funciona um Comitê de Inovação?
  • Quando é hora de implantar um comitê de inovação?
  • Como selecionar profissionais preparados?
  • Investimento em inovação: interno vs externo
  • Quais projetos podem ser desenvolvidos pelo Comitê de Inovação?
  • Reter, analisar, implantar e mensurar resultados
  • Ferramentas e metodologias
  • Continue inovando

 

Como funciona um Comitê de Inovação?

A inovação é um processo e, como tal, precisa não somente ser gerenciada como também ser desenvolvida em um ambiente onde a Cultura de Inovação está sendo estimulada – é nesse ponto em que o comitê de inovação atua, tomando decisões e ações que proporcionam o estímulo, o gerenciamento e a transformação de ideias em resultados reais.

Um grupo de profissionais dos mais diversos departamentos da empresa decidem, juntos, dias para organizar brainstormings criativos e definir estratégias, novos projetos, metodologias e a utilização de recursos para materializar as ideias, potencializar resultados e impulsionar a inovação nas empresas.

 

Quando é a hora de implantar um comitê de inovação?

Não há um momento certo para implantar um comitê de inovação, entretanto, a estratégia é geralmente adotada quando um ou mais colaboradores percebem que o mercado está em constante mudança e os resultados da organização já não são como antes.

Com a constante mudança do mercado, a rápida obsolescência dos negócios e a perda natural de atração que os modelos de negócio tendem a ter, manter a estagnação organizacional já não é mais uma opção. É comprovado, investir em inovação gera retorno financeiro e, se você ainda não acredita nisso, clique no link e acesse o artigo:

Comprovado! Inovação gera retorno financeiro e valor para as empresas.

 

Como selecionar profissionais preparados?

Para levar a inovação para dentro da organização é preciso formar um comitê com autonomia para propor novas soluções e dar execução aos projetos. É extremamente importante que o comitê seja formado por uma equipe com potencial criativo, pessoas abertas a mudanças e extremamente motivadas. Para encontrá-las não é muito difícil, uma ideia é apresentar a proposta para grupos de pessoas de diferentes setores e o próximo passo é observar quais delas se interessaram pela proposta.

Um diferencial é procurar o feedback de empresas e profissionais que passaram ou estão passando pelo processo de implementação do comitê de inovação. Além disso, é possível também procurar hubs de inovação e fazer benchmarking. O resultado desse pequeno esforço é reunir um rico material para inspirar e engajar os futuros participantes do seu comitê, proporcionando o começo do desenvolvimento da Cultura de Inovação na atmosfera da sua empresa.

 

Investimento em inovação: interno vs externo

Empresas de todo o porte podem e devem investir em inovação – uma excelente estratégia para aumentar a competitividade do negócio frente aos concorrentes. A eficiência desse investimento pode ser colhida a longo prazo, portanto, o comitê precisa escolher com sabedoria seus objetivos, estratégias e como utilizar seus recursos de forma sábia.

O equilíbrio entre atividades de experimentação e o aperfeiçoamento das que já estão em pleno acontecimento na empresa é chamado de Ambidestria Organizacional.

Leia também Ambidestria Organizacional: A fórmula para a eficiência na Gestão da Inovação.

Investimento externo em inovação pode ser, por exemplo, quando adicionamos ao nosso workflow ferramentas de otimização de processos, focadas em aumentar a produtividade e reduzir os processos manuais. Para tanto, contamos com startups que disponibilizam ferramentas para execução de projetos, planejamento de estratégias, junção de várias funções do cotidiano e fácil análise de resultados.

Já o investimento interno é geralmente ligado as ações e programas com objetivos voltados a melhor utilização de recursos e potenciais já existentes na empresa, como por exemplo o estímulo da ideação colaborativa e engajamento dos funcionários na resolução de dores da corporação ou na ideação de novas soluções – um exemplo é o Programa de Inovação (Programa de Sugestões ou Programa de Ideias).

É comprovado também que 80% do potencial de melhoria de uma organização está nos colaboradores de linha de frente, que retém conhecimento sobre circunstâncias particulares do negócio, enquanto a liderança possui conhecimento agregado sobre a organização.

Leia também: São as Pessoas (e não a tecnologia) que Inovam os Negócios.

 

Quais projetos podem ser desenvolvidos pelo Comitê de Inovação?

Como já foi mencionado, a inovação é um processo e faz parte desse processo analisar quais são as principais dores da organização, como um produto ultrapassado, uma estratégia mercadológica obsoleta, um gasto excessivo de material, um consumo de recursos mal aproveitados e até mesmo uma meta interna de vendas não alcançadas. Cada uma das dores explanadas pode se tornar um novo projeto.

 

Ferramentas e metodologias

Para colocar os projetos em prática é preciso encontrar métodos que funcionem, que se integrem com facilidade a realidade institucional da sua empresa e que sejam práticos para o comitê, afinal, a inovação é uma atividade experimental e, como tal, precisa ser implementada aos poucos – sem jamais prejudicar o workflow natural da corporação.

Nós possuímos uma seção inteira de metodologias criativas, ferramentas de inovação, modelos de estratégia e artigos explanatórios para você colocar em prática algumas alternativas e começar a desenvolver a Cultura de Inovação na sua empresa. Clique no banner abaixo e adicione nossas ferramentas a sua estratégia de inovação.

 

 

 

 

 

Reter, analisar, implantar e mensurar resultados

A inovação deve ser gerenciada e, portanto, é preciso investir em pesquisas, ferramentas, técnicas de análise e aperfeiçoamento. É nesse ponto específico que o comitê, através da Gestão da Inovação, garante a melhoria contínua na corporação.

Os dados de análise de programas, projetos e investimentos são essenciais para a tomada de decisões futuras e saber quais indicadores medir é indispensável para a gestão de qualquer processo inovador.

Saiba como escolher e medir os indicadores certos lendo esse artigo que preparamos:

OKRS: o que é e como ele pode ajudar seu negócio ir além.

 

Continue inovando

Você pode transformar ideias em resultados extraordinários, porém, ninguém inova sozinho. O Comitê de Inovação é uma excelente alternativa para empresas que ainda não possuem estrutura para implementar uma área de inovação interna, pois com poucos recursos e muita colaboração, é possível tirar as ideias incríveis do papel.

Dependendo da realidade institucional da organização, implementar um comitê pode ser algo complexo. O ideal é se reunir com os profissionais convidados para a iniciativa e abrir debate para entender o quanto de energia precisará ser investida em tal empreitada. Além disso, há outras soluções, como procurar uma consultoria, por exemplo.

Se você pretende implantar um comitê de inovação, saiba que adicionar uma Plataforma de Gestão da Inovação à sua estratégia pode economizar muito tempo e dinheiro, além disso nós contamos com uma estrutura e times preparados para te auxiliar nessa nova jornada. Clique aqui para conhecer o AEVO Innovate.

Posts Relacionados
A gestão da inovação para grandes empresas é composta de uma série de fases. Conheça-as
A inovação não é simplesmente algo que acontece; você precisa contar com maneiras de fomentá-la
Confira o case AVIVA, que com a ajuda da AEVO, alcançou mais de 55 milhões

Deixe uma resposta