Gestão da inovação: o que é, qual o papel e os 4 pilares

A gestão da inovação é um processo estruturado que permite que as ideias e projetos de inovação sejam desenvolvidos de maneira contínua, transformando estas ideias em soluções que geram valor para o negócio.

A inovação é um processo e precisa ser gerenciado. Sendo assim, para que as empresas sejam sustentáveis e se mantenham competitivas em seus mercados é, mais do que nunca, necessário dar atenção à gestão da inovação.

Gestão da inovação é a estruturação de um conjunto de processos e atividades que permitem que a inovação possa ser contínua em organizações.

Neste guia, você entenderá o conceito, importância e exemplos de gestão da inovação. Continue a leitura.

O que é gestão da inovação?

A gestão da inovação é a estruturação sistêmica de um processo de inovação sólido e contínuo, onde as ideias e projetos geram valor ao negócio. Este processo segue um fluxo com etapas bem definidas.

A primeira fase passa pela geração de ideias; seguida por uma validação e desenvolvimento da inovação; por fim, é feita a geração de valor e a implementação com mensuração de resultados.

Sabemos que inovar por inovar não basta. É fundamental que a inovação seja parte da estratégia organizacional e que busque atingir um objetivo claro.

Ou seja, para que ideias se tornem resultados concretos é preciso que haja um modelo de gestão que suporte o processo inovativo, e é nesse aspecto que a importância da gestão da inovação fica evidente.

Quando colocada em prática de maneira eficiente, a empresa garante um diferencial e sobrevive em um mercado competitivo, entregando mais valor aos seus clientes, colaboradores e parceiros.

Além disso, com o processo de inovação bem estruturado, é mais fácil identificar os pontos fortes e fracos da companhia, bem como as melhorias que devem ser feitas.

Leia mais:
O que é inovação de sustentação? Benefícios e exemplos
Como estruturar um Programa de Intraempreendedorismo?
Plataforma de inovação: o que é e quais as funcionalidades

Como é um processo de inovação?

Para construir um processo de inovação, é preciso definir os gestores responsáveis na empresa – são eles que irão zelar pela permanência contínua de uma cultura de inovação.

Os gestores são referências para os outros colaboradores, são eles que irão estender a iniciativa por toda a empresa, envolvendo-os em todo o processo.

As fases de um processo de inovação dependem de como a organização foi construída, quais são os indivíduos envolvidos e o momento da empresa.

1 – Pesquisas e ideias

Nessa primeira etapa temos a necessidade de desenvolver uma pesquisa para obter conhecimento do que está sendo procurado pelo mercado, ou quais problemas internos estão afetando a organização.

Portanto, é preciso buscar informações com os colaboradores, clientes e especialistas, ganhando uma visão ampla da situação interna e externa.

A partir dos dados, serão levantadas as propostas de solução – o que deve ser feito para obter um resultado melhor.

A gestão da empresa tem um papel decisivo nessa etapa, e precisa garantir um clima de incentivo para que os colaboradores apresentem suas melhores ideias.

Ou seja, é importante zelar pelo engajamento para que a inovação seja contínua, princípio base da gestão da inovação.

A empresa também pode investir em treinamentos para desenvolver as habilidades analíticas, criativas e comunicativas dos profissionais, fazendo com que as suas propostas ganhem mais densidade e sejam compartilhadas de modo compreensível pelos colegas.

Contar com ferramentas tecnológicas acessíveis para a coleta de ideias será um diferencial, otimizando tempo e esforço de gestores em um programa de inovação.

Como podemos ver na ilustração abaixo, a primeira etapa contempla a identificação dos desafios e oportunidades, partindo para a geração de ideias.

Processo de inovação da gestão da inovação
Fonte: AEVO

2 – Análise e priorização de ideias

O processo deve conter alguns requisitos para a escolha das melhores ideias.

É importante que esses critérios sejam definidos a princípio, evitando que opiniões e afinidades tenham influência na seleção das propostas.

A triagem ou análise deve considerar todos os aspectos da ideia para identificar claramente os seus benefícios e riscos de sua implementação.

Dessa forma, é possível desenvolver as melhores ideias, e descartar as que não passam pela avaliação.

Não esqueça de trabalhar com feedbacks no processo.

As pessoas/equipes responsáveis pelas propostas escolhidas devem saber o que fazer em seguida.

Quem sugeriu as ideias descartadas no processo precisam entender como contribuir nas próximas oportunidades, assim, o engajamento se manterá e os gestores atuaram de forma humanizada.

3 – Implementação

Nessa etapa, a empresa deve implementar de fato a inovação, seja em um modelo de sustentação (inovação incremental) ou de transformação (inovação radical ou disruptiva).

Após a organização implementar, é preciso apresentar a ideia ou projeto, mostrando o porquê ela é importante e quais são os benefícios.

Tanto no caso de um novo produto quanto em uma melhoria incremental.

Se na fase de pesquisa nós identificamos um problema, necessidade ou dor do cliente, agora é fundamental implementar a inovação e demonstrar o valor gerado por ela.

Importante destacar que a inovação também tem um impacto interno.

Por exemplo, com o desenvolvimento de uma melhoria em processo que gera eficácia operacional, o ganho será na produtividade dos colaboradores e na entrega de um processo com mais rapidez – o que, no fim das contas, também gera valor para o consumidor e o mercado ao qual a empresa se insere.

4 – Geração de valor

Todo esse caminho traçado de forma contínua é a própria gestão da inovação.

Após seguir esses três passos, a geração de valor ocorrerá, de modo que será possível identificar os ganhos que a inovação trouxe à empresa e aos envolvidos, além dos pontos focais.

Sobre os ganhos da inovação, podemos citar um exemplo. É importante que a organização se pergunte: esse processo tinha como ganho a redução de custos a princípio? Esse objetivo foi atingido?

Assim, se torna mais evidente o valor gerado pela inovação – que vai além do retorno financeiro. Ou seja, é nesta etapa que podemos mensurar resultados e impactos da ideia implementada pela empresa.

Depois, será possível verificar os pontos fortes e fracos envolvidos no processo, também olhar para os erros e propor melhorias no próximo ciclo.

A gestão de inovação tem como propósito garantir que a organização realmente alcance os objetivos traçados, combinando as melhores práticas administrativas e o desejo por tornar os processos ainda mais eficientes.

E, claro, garantir que esse seja um ciclo contínuo. Não apenas uma iniciativa pontual.

Como desenvolver a gestão da inovação?

Para que a inovação tenha alto impacto para os resultados de uma empresa, é preciso desenvolver fundamentos que assegurem a sua gestão.

Esses fundamentos são esforços que a própria organização deve viabilizar.

Sendo assim, é importante entender quais são os principais pontos de desenvolvimento da empresa para ter um ambiente mais propício à inovação.

Nesse vídeo resumo, reunimos quatro pilares para implementar a gestão da inovação nas empresas, partindo do zero, confira:

YouTube video

Aprendizagem organizacional

Aprendizagem organizacional é a capacidade da companhia em não cometer os mesmos erros do passado, entender o perfil dos próprios trabalhadores, perfil dos clientes e as peculiaridades do mercado.

Esse fundamento resume a base de conhecimento que a empresa possui para sempre estar em evolução.

Saber os erros passados pode livrar a sua empresa cometa os mesmos erros no futuro.

A aprendizagem organizacional se relaciona muito com a gestão da inovação, uma vez que no passado algo já não deu certo, e vale a pena saber a razão pela qual o erro aconteceu. Isso dá abertura para tentar aplicar ideias de forma diferente.

A aprendizagem organizacional também está interligada ao conceito de ROL (Return on Learning) ou Retorno sobre Aprendizado, que é uma maneira de mensurar o conhecimento adquirido em algo – seja com os clientes, colaboradores, com o mercado e até mesmo com a inovação.

Cultura de inovação

Cultura de inovação é uma cultura que promove a criatividade e apoia a geração de ideias vinda de todos os setores da empresa. 

Ou seja, a cultura de inovação está diretamente ligada à liberdade individual que os colaboradores têm para tomar iniciativas que podem gerar valor para a empresa – uma forma de empreendedorismo interno na organização.

E essa cultura certamente não surge do nada, é preciso construir e mantê-la a longo prazo. Para isso, são necessárias ações concretas.

Incentivar e reconhecer as pessoas com iniciativa e que geram resultados além do esperado é uma das principais formas de disseminar e desenvolver uma cultura mais inovadora nas empresas.

Então, é preciso criar um “espaço” de desenvolvimento da criatividade e inovação para que as iniciativas intraempreendedoras aconteçam.

Nesse caso, é recomendado que os líderes empresariais incentivem e usem o empowerment para promover um melhor clima organizacional e estimular os colaboradores a falarem e apresentarem suas ideias sempre.

Algumas ferramentas podem ajudar toda a empresa a engajar os colaboradores em uma cultura inovadora.

Pode-se usar os one-on-ones, reuniões de colaboradores com o seus gestores responsáveis, onde a liderança pode ajudar dando abertura para surgirem novas ideias para o setor e para empresa.

Outra forma de estimular a cultura de inovação é o uso de plataformas específicas para a geração e gestão de ideias, como o AEVO.

Estratégia orientada à inovação

A estratégia de uma empresa aponta para um objetivo futuro, ou seja, é onde a organização quer chegar, sendo preciso ter objetivos e ações definidas que contribuíram para isso.

Nesse ponto, uma estratégia orientada à inovação fará com que a companhia esteja em constante geração de valor, visto que o conceito de inovação é justamente esse – uma ideia implementada que gera valor ao negócio.

Ao estimular de maneira contínua o seu processo de inovação, a organização avança para o seus objetivos estratégicos, envolvendo seus colaboradores, propondo melhorias constantes em processos, produtos e serviços, ou até mesmo disruptando o mercado com uma nova solução.

Portanto, alinhar a sua estratégia à inovação é uma atitude que pode levar a resultados extraordinários.

Liderança comprometida com a inovação

liderança é importante em vários aspectos que talvez não caiba em palavras.

Liderar é mostrar o caminho e fazer junto, tomar a responsabilidade, ter iniciativa e assumir riscos…

Mas existe um ponto mais importante que, muitas vezes, pode ser negligenciado: liderar é também desenvolver pessoas.

E se você desenvolve pessoas, logo elas estarão mais aptas a exercerem todo o seu potencial profissional, inclusive sugerir melhorias para sua empresa e gerar valor para o negócio.

Liderar, portanto, é alavancar pessoas. E a inovação só é possível a partir do desenvolvimento do potencial criativo das pessoas, uma responsabilidade direta de quem as lidera.

Por isso que para uma empresa se tornar inovadora, ela precisa de ter líderes que incentivem os colaboradores a terem ideias e a fazerem diferente.

Esse compromisso da liderança e dos gestores com a inovação é um passo estratégico para o crescimento e renovação de qualquer empresa que deseja ser sustentável em um mercado competitivo.

Marketing para a inovação

Em um programa de ideias com gestão da inovação avançada, com certeza existe um marketing bem usado.

Um dos fatores que faz a gestão de inovação ser facilitada é o marketing, pois sem a comunicação para o engajamento, você não terá novas ideias. E a inovação fica sem a sua matéria-prima.

Ou seja, o engajamento é um ponto vital para o sucesso de um Programa de Ideias.

O endomarketing (marketing interno) é essencial para habilitar as engrenagens da criatividade e ser o gatilho para a geração de ideias dos colaboradores.

Processos habilitadores da inovação

A inovação pode ser observada como um processo, onde existe um input e um output, como uma fábrica.

No início, a matéria-prima são as ideias, que podem vir dos próprios colaboradores da empresa. Mas, sem dúvidas, sem um processo bem definido, elas acabarão se perdendo.

Sendo assim, para que as ideias sejam implementadas é preciso que hajam processos habitadores para a inovação.

E com uma ferramenta de gestão da inovação, a companhia assegura o controle das variáveis em todo o seu processo.

Pessoas orientadas à inovação

Já vimos que as pessoas que estão no centro da inovação. Por esse motivo, esforços por parte da empresa e gestores devem ser dirigidos para as pessoas.

Esses esforços devem ser direcionados para a criação de um ambiente que propicie a inovação e valorize as suas iniciativas.

Através da educação corporativa, seja no formato de eventos e palestras ou treinamentos internos, é possível estimular um pensamento diferente nas pessoas que compõem uma empresa.

Além disso, com a inovação como valor, o setor de pessoas buscará por candidatos com o perfil inovativo, mantendo um alinhamento com a cultura organizacional.

Relacionamento com o ambiente externo

É extremamente importante se relacionar com diferentes realidades, perspectivas e pessoas para que se pense fora da caixa.

Um bom gestor da inovação certamente deve ser uma pessoa aberta a novos pensamentos e deve saber que a geração de melhores ideias pode vir não só dele, mas de colaboradores, clientes, fornecedores.

O debate também deve ser promovido junto a agentes externos a empresa, seja em eventos, com troca de experiências com outros players de mercado, a partir de networking ou benchmarketing.

Outra forma de interagir e executar projetos de inovação com parceiros externos é a inovação aberta.

Esse tipo de inovação permite que empresas colaborem entre si e é uma ótima maneira de manter a gestão da inovação em fluxo constante, tanto a partir de iniciativas internas quanto fortalecendo laços com um ecossistema de inovação vasto.

Recursos financeiros disponíveis para a inovação

Um dos pontos mais importantes da gestão da inovação é a correta alocação de recursos financeiros e o controle do ROI da inovação, advindo das iniciativas da empresa.

A inovação deve ser vista como um investimento, a partir do momento que existe a possibilidade de se obter um retorno.

Somente através dessa mudança de mentalidade que é possível ter o suporte necessário que os projetos de inovação precisam.

Outro fator importante é o conhecimento sobre captação de recursos para inovação. E nada melhor que procurar entidades especialistas nesse assunto.

A sua empresa pode arrecadar recursos através de Funding para Inovação ou outras fontes externas de financiamento.

Delimitando a inovação

Para uma gestão da inovação eficaz, é preciso subdividir a inovação e saber com qual trabalhar e quais ações promovem cada tipo de inovação.

Essa é uma ação que serve até para desmistificar a inovação nas empresas, confira os tipos:

  1. Inovação disruptivaé aquela que produz uma nova solução, capaz de substituir produtos e serviços anteriores dentro de um certo mercado, rompendo paradigmas e criando novos hábitos de consumo;
  2. Inovação incremental: é a inovação que causa pequenas melhorias a algo já estabelecido. É uma forma de otimização para se obter mais valor de um produto, serviço e processos;
  3. Inovação radical: é a transformação completa de um produto ou serviço, realizado a partir de um conjunto de iniciativas que direciona a organização a novos rumos na busca por crescimento, adaptação ou conquista completa de um mercado.

Mas, sabia que as inovações radicais e disruptivas só surgem em um ambiente propício e aberto, com cultura de inovações incrementais? É isso que um famoso pesquisador de inovação diz.

Joe Tidd acredita na seguinte premissa:

“[…] conclui-se que a inovação incremental, ainda que arriscada, é uma estratégia gerencial de grande potencial, porque inicia a partir de algo conhecido, que é aprimorado. Entretanto, à medida que avançamos para opções mais radicais, a incerteza tende a aumentar, até o ponto em que não temos a menor ideia sobre o que estamos desenvolvendo ou em vias de desenvolver! Isso mostra por que a inovação descontínua é tão difícil de ser controlada”

Joe Tidd


Logo, a inovação contínua, através da gestão da inovação, é uma maneira de controlar as variáveis da inovação.

Segundo o pensamento de Tidd, as inovações incrementais podem gerar mais retorno financeiro para as empresas do que mudanças radicais em produtos.

Por isso, é extremamente importante para um gestor da inovação, saber que ele deve estimular as inovações incrementais para que as maiores cheguem e também para que seu ciclo de inovação se justifique e seja sustentável, pois a área e o cargo de gestão da inovação só fazem sentido se houver ROI da inovação para a empresa.

Todos esses dados e conhecimentos mais aprofundados estão disponíveis no livro de Joe Tidd e John Bessant, nomeado “Gestão da Inovação”.

Capacidade de inovação: em qual nível inovar na sua empresa?

Para nos aprofundarmos mais, depois de compreender as etapas e como desenvolvê-las, é preciso saber quais problemas atacar com ideias inovadoras.

Baseando-se nos horizontes de inovação, existem 3 níveis possíveis para se trabalhar a gestão da inovação.

Você vai precisar de ideias diferentes dependendo do horizonte no qual sua empresa precisa de mais atenção:

  1. Horizonte 1: é o aprimoramento do que já está funcionando na sua empresa, esse nível está muito interligado com o conceito de inovação incremental. Será que o que sua empresa faz já está 100% otimizado? Nesse caso, você pode propor uma melhoria em uma etapa de processo ou uma melhoria em produto, por exemplo.
  2. Horizonte 2: atacar novos negócios com base em mercados que a empresa já domina. Neste nível você precisa entender quais são os mercados que são semelhantes aos que você já atua e pensar em maneiras de explorar essas novas possibilidades, por isso é importante o domínio do mercado principal para poder entrar nessa fase.

    Um bom exemplo para esse nível é a Uber Eats. O mercado inicial da Uber é de transporte por aplicativo, mas um adjacente é a entrega de comida por aplicativo, daí surge a Uber Eats como expansão da atuação da marca – que é uma forma de inovação.
  3. Horizonte 3: essa é a fase das hipóteses a serem testadas, onde ideias mais arriscadas que precisam ser validadas.

    O investimento feito para ideias desse nível é mais voltado para a experimentação; e após a validação, podem se tornar os novos produtos que vão ser decisivos para o futuro da sua empresa.

O gráfico abaixo explica essa divisão baseada nos três horizontes de inovação, relacionando os eixos de crescimento, a partir da geração de valor e o tempo gasto em cada um deles.

Horizontes para investir na gestão da inovação

Definindo seu foco de inovação

Na fase de foco, é preciso entender a realidade atual da sua empresa e saber em quais horizontes atuar:

Foco único – após refletir sobre os horizontes de inovação e sobre seu negócio, é possível que você chega à conclusão de que é melhor focar em novos processos e/ou em novos produtos.

No entanto, se você não estiver seguro de que sua empresa faz muito bem o que se propõe a fazer, provavelmente no início da sua gestão de inovação seja mais interessante você pensar em inovações incrementais de processo e/ou produtos já existentes.

Multi foco – também é possível trabalhar de formas diferentes em simultâneo. Sua empresa pode estar em um momento de transição entre os horizontes de inovação.

Nesse momento, você pode começar a pensar em novos projetos relacionados ao seu negócio, em simultâneo, se preocupar com a inovação incremental de maneira contínua, melhorando o que já existe.

Com certeza chegará o dia no qual sua empresa estará sempre caminhando entre os três horizontes, que é um cenário muito saudável de inovação.

Para ter a possibilidade de trabalhar ao mesmo tempo com os três horizontes, é recomendável a implantação de um Programa de Ideias de Inovação na sua empresa.

Dessa forma, aumenta-se a capacidade de ter novas ideias para geração de valor para o negócio.

Cases de sucesso em gestão da inovação

Caso da 3M

Um dos casos mais claros de sucesso é a 3M. Anualmente, ela registra cerca de 3000 novas patentes.

Em 2014, a empresa comemorou o registro de 100.000 patentes.

Essa grande quantidade de criações não acontece por acaso; só é possível graças a excelentes práticas de gestão da inovação, que facilitam o trabalho da equipe de P&D e que reforçam a cultura de inovação por toda a empresa.

Caso da Amazon

Outro caso emblemático é o da Amazon.

Em vez de se limitar a inovações em produtos, a empresa renovou todo o seu modelo de negócios: criada como um e-commerce de livros, hoje ela é um dos maiores marketplaces da internet, oferece serviços de TI, formou uma estrutura própria de logística que é das mais eficientes do mundo.

A gestão da inovação, é claro, teve um papel central nesse processo, já que permitiu que a Amazon identificasse as melhores oportunidades ao longo do caminho.

Ou seja, apesar de toda a mudança e diversificação que a empresa atravessou nas duas décadas desde sua fundação, nada foi feito apenas à base de intuição.

Caso das PMEs

Nem todos os casos de sucesso em gestão da inovação são de gigantes corporativas.

As PMEs também já despertaram, há muito tempo, para a importância de inovar de maneira consistente.

Segundo o estudo Inovação e Competitividade nas PMEs Paulistas, conduzido pelo Sebrae em 2008, em uma autoavaliação, 53% dos empresários afirmaram realizar inovações com alguma frequência.

Ainda que o dado possa não representar a realidade da execução da inovação, ele certamente reflete o fato de que a inovação é percebida como um fator para o sucesso do negócio.

Vários pesquisadores das áreas de economia e administração têm se dedicado a estudar como é feita a gestão da inovação em pequenas e médias empresas, e como a inovação ajuda tais empresas a conquistar uma vantagem competitiva. 

O que esses estudos parecem descobrir é que, embora os negócios de pequeno e médio porte enfrentem alguns obstáculos para a inovação, como a restrição em recursos e mão de obra com menos qualificação, eles podem realizar esforços organizados voltados à inovação e obter bons resultados.

Caso você queira saber mais sobre o assunto, vale a pena conferir o artigo “Análise multi-casos da gestão da inovação em empresas de pequeno porte”, de Campos e Campos (2013).

Nesse artigo, os pesquisadores analisaram a gestão de inovação em três PMEs e apresentaram uma análise sobre as dificuldades e os resultados apresentados por essas empresas.

Para fixar o conhecimento deste conteúdo, separamos as duas principais questões sobre gestão da inovação:

Qual a importância da gestão da inovação?

A gestão da inovação é importante para as empresas porque assegura que ideias se tornem resultados concretos, mantendo seu valor no presente e construindo valor para o futuro da organização, a partir de um modelo de gestão que suporta o processo inovativo de maneira contínua.

Quais são os quatro pilares para a gestão da inovação nas empresas?

Os quatro pilares da gestão da inovação são: visão e direcionamento (alinhamento de objetivos e estratégia de inovação do negócio); cultura e engajamento (criação de mecanismos que elevem a cultura de inovação); estrutura e processos (dispor de ferramentas para que o processo de inovação possa acontecer); recursos e infraestrutura (capacidade para suportar o processo de inovação).


Conclusão

Definitivamente a gestão da inovação é algo muito valioso: faz você ter uma compreensão maior da inovação e ainda é uma maneira de controlar as variáveis da inovação, que para muitas pessoas pode ser algo inimaginável e até mítico.

Ser protagonista nesse assunto e aplicar dentro de uma organização, traz resultados muito satisfatórios, além de ter um impacto enorme na empresa e na economia.

Mas como todo processo e produto, tudo pode ser melhorado e a própria gestão da inovação é algo que está sempre evoluindo por meio de pessoas que tem a capacidade de enxergar o mundo através de perspectivas diferentes, usando isso para inovar.

Aprendeu sobre gestão da inovação e quer que esse processo seja mais automatizado e facilitado? Se você precisa de uma plataforma de gestão de inovação para apoiar um Programa de ideias inovadoras da sua empresa, não deixe de conhecer o AEVO.

Luís Felipe Carvalho

Luís Felipe Carvalho é um dos fundadores e, atualmente, CEO da AEVO; está há mais de 16 anos à frente de iniciativas para alavancar a inovação de empresas do Brasil e do mundo. Ao longo de sua trajetória, acumula experiências em gestão e implantação de projetos de inovação, buscando formas de gerar resultados para corporações também por meio do incentivo ao intraempreendedorismo. Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Espírito Santo, cursou MBA em Gestão Empresarial e possui certificação PMP (Project Management Professional) concedida pelo Project Management Institute. Foi analista de projetos e liderou programas inovadores em grandes companhias de segmentos como engenharia e siderurgia. Integrou ainda o corpo docente da FUCAPE Business School, ministrando disciplinas de Project Management Office (PMO), Portfólio e Maturidade em Projetos e Gerenciamento de Riscos.

Luís Felipe Carvalho

Luís Felipe Carvalho

Luís Felipe Carvalho é um dos fundadores e, atualmente, CEO da AEVO; está há mais de 16 anos à frente de iniciativas para alavancar a inovação de empresas do Brasil e do mundo. Ao longo de sua trajetória, acumula experiências em gestão e implantação de projetos de inovação, buscando formas de gerar resultados para corporações também por meio do incentivo ao intraempreendedorismo. Graduado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Espírito Santo, cursou MBA em Gestão Empresarial e possui certificação PMP (Project Management Professional) concedida pelo Project Management Institute. Foi analista de projetos e liderou programas inovadores em grandes companhias de segmentos como engenharia e siderurgia. Integrou ainda o corpo docente da FUCAPE Business School, ministrando disciplinas de Project Management Office (PMO), Portfólio e Maturidade em Projetos e Gerenciamento de Riscos.

Compartilhe o post

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sidebar versão 2 para o copy AEVO One-Stop Shop de Inovação

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com nossos conteúdos sobre o universo da Inovação.