Inovação farmacêutica: o que é, importância e tendências

A inovação farmacêutica transcende a criação de novos medicamentos, e representa qualquer estímulo à geração de valor para o segmento e o mercado consumidor; buscando soluções mais eficazes, acessíveis e personalizadas. A inovação farmacêutica permeia os domínios da biotecnologia, da nanotecnologia, da inteligência artificial e de tantas outras disciplinas.

A inovação farmacêutica tem se mostrado um campo dinâmico, que redefine os padrões de tratamento e molda o futuro da medicina.

Os números do setor são impressionantes, com investimentos previstos em pesquisa e desenvolvimento atingindo US$ 244 bilhões em 2022.

Segundo dados da Interfarma, o setor está acima de mercados reconhecidos pela inovação, como o automotivo, de hardware e de softwares.

Esse movimento não vem de agora, embora a inovação farmacêutica tenha ganho destaque nos últimos anos. Em 2004, o volume de investimentos em P&D já alcançava 14% da receita do setor, superando setores como software (11%), computadores (10%) e eletrônica (7%).

Confira em mais detalhes como a inovação farmacêutica se desenvolve, como ela contribui para o setor e a sociedade, e quais serão as principais tendências desse mercado nos próximos anos. Siga a leitura.

Cenário da inovação farmacêutica

O cenário de transformação apresenta algumas tendências claras, a começar pela descentralização da produção farmacêutica.

Embora as grandes fabricantes detenham uma parcela massiva do mercado, estamos vendo o surgimento de uma abordagem doméstica e ágil. Essa mudança é impulsionada pela atuação de Healthtechs que estão redefinindo as regras do jogo.

Os avanços em tecnologias como a fabricação de fluxo contínuo estão desencadeando uma transformação fundamental na cadeia produtiva.

Novos processos automatizados não apenas reduzem a necessidade de grandes instalações e maquinários caros, como também oferecem uma abordagem mais sustentável ao reduzir o consumo de energia e as emissões de carbono.

São mostras de que a inovação farmacêutica não se concentra apenas em novos medicamentos e tratamentos, ainda que este seja o eixo central do setor.

Contudo, a verdadeira essência da inovação farmacêutica não reside nos processos ou nos produtos, mas sim no consumidor, que conta com cada vez mais participação e personalização.

Os avanços, nesse sentido, apontam para tratamentos personalizados, abordagens precisas e medicamentos cada vez mais adaptados às necessidades únicas de cada paciente.

Leia mais:
Gestão da inovação: o que é, qual o papel e os 4 pilares
Gestão de projetos de inovação: o que é e como fazer

O que é inovação farmacêutica?

A inovação farmacêutica transcende a criação de novos medicamentos, e representa qualquer estímulo à geração de valor para o segmento e o mercado consumidor. Ela abre caminhos para soluções mais eficazes, acessíveis e personalizadas.

Atualmente, temos uma abordagem cuidadosa, ágil e específica para aliviar os diversos males que a saúde pode experimentar.

Os métodos rudimentares, com substâncias de origem animal e vegetal sendo aplicadas de maneira direta ou com intervenções mínimas, deram lugar ao conhecimento especializado.

A farmacologia moderna traz consigo uma compreensão profunda dos princípios ativos, permitindo a criação de medicamentos mais eficazes e seguros.

A inovação farmacêutica, que foi responsável por esses avanços, hoje permeia os domínios da biotecnologia, da nanotecnologia, da inteligência artificial e de tantas outras disciplinas.

A pesquisa de ponta e a colaboração entre setores estão redefinindo a maneira como encaramos o tratamento de doenças, oferecendo diagnósticos mais específicos e terapias mais precisas.

Importância da inovação na indústria farmacêutica

A inovação farmacêutica gera avanços claros na entrega de tratamentos, mas também é um movimento valioso para as organizações do setor.

Essa importância pode ser vista no crescimento das empresas nacionais, em vendas e faturamento, acompanhando investimentos que superam os das multinacionais atuantes no país.

Com mais de 500 classes terapêuticas (mecanismos de atuação no corpo) disponíveis, o Brasil possui um mercado diverso e abrangente. O setor experimentou um crescimento significativo, alcançado R$ 106,78 bilhões em 2022, um aumento de 16,95% em relação ao ano anterior.

A produção nacional representa cerca de 2% do mercado global e lidera os países da América Latina.

É um número baixo, se comparado às nações que lideram o segmento, mas já mostra uma posição sólida no mercado interno, respondendo por 67,92% do faturamento e 79,75% das caixas vendidas no país.

Entre 2008 e 2014, a receita líquida das empresas nacionais cresceu 105%, enquanto os fabricantes internacionais observaram um crescimento de 36,2% no mesmo período.

Contudo, é essencial reconhecer que, apesar dos avanços, a indústria farmacêutica enfrenta desafios significativos.

O custo elevado de pesquisas para medicamentos que atendem pequenos grupos da população é um exemplo disso, assim como os baixos investimentos para atualizar produtos já consolidados.

Tais desafios tornam a busca por inovação ainda mais necessária, especialmente em um contexto onde as expectativas e demandas da sociedade evoluem rapidamente.

A inovação farmacêutica representa assim um diferencial competitivo que pode impulsionar a indústria em direção a novos horizontes de descoberta, eficácia e acessibilidade.

Continue aprendendo: Pesquisa e Desenvolvimento (P&D): o que é e como fazer

Incentivos para a inovação farmacêutica

Examinar as soluções que facilitam os investimentos nesse setor estratégico é crucial para as empresas que desejam explorar a inovação farmacêutica.

1 – Funtec

O Fundo de Desenvolvimento Técnico-Científico (Funtec), vinculado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), representa uma opção abrangente para o suporte à inovação em diversos setores, incluindo o farmacêutico.

Esse fundo desempenha um papel fundamental ao disponibilizar recursos financeiros para projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação, estimulando a criação e aprimoramento de tecnologias que impactam positivamente a indústria farmacêutica brasileira.

2 – Profarma

O Programa de Apoio ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva Farmacêutica (Profarma) traz uma opção mais personalizada, direcionando-se especificamente para o setor.

Esse programa oferece assistência direta à produção farmacêutica, promovendo a modernização das instalações industriais, a capacitação técnica e científica, além de estimular a pesquisa e a inovação.

Com foco na promoção do avanço qualitativo da indústria, o Profarma visa fortalecer a competitividade do setor no cenário nacional e internacional.

Inovação radical na indústria farmacêutica

A inovação farmacêutica é considerada radical quando introduz compostos de composição e estrutura química distintas dos existentes. Ela oferece oportunidades promissoras, mas também é marcada por desafios complexos.

A penicilina, descoberta por Alexander Fleming em 1928, é um exemplo de inovação radical que revolucionou o tratamento de infecções bacterianas.

Atualmente, as terapias genéticas que visam corrigir ou substituir genes defeituosos estão no centro desse modelo, oferecendo novas abordagens para condições genéticas.

Vantagens

  • Eficácia aprimorada: novos princípios ativos podem trazer melhorias substanciais na eficácia terapêutica, proporcionando tratamentos mais eficientes para uma variedade de condições médicas;
  • Solução para desafios não atendidos: a inovação radical frequentemente aborda necessidades não atendidas, oferecendo soluções para condições sem tratamentos eficazes disponíveis;
  • Competitividade: empresas que lideram inovações radicais podem estabelecer-se como referências no setor, ganhando competitividade e fortalecendo suas posições de mercado.

Desafios

  • Tempo e custo: desenvolver e trazer ao mercado uma inovação radical na indústria farmacêutica é um processo demorado e dispendioso. A extensa pesquisa, aplicação de testes clínicos e espera por aprovações regulatórias podem levar anos, e resultar em investimentos substanciais;
  • Riscos: a incerteza inerente à inovação radical traz consigo riscos significativos. O fracasso em alcançar resultados positivos em testes clínicos ou a rejeição por agências regulatórias podem levar a perdas financeiras consideráveis. De todos os medicamentos que chegam a ser testados em humanos, estima-se que apenas 8% alcançam o mercado.

Inovação incremental na indústria farmacêutica

A inovação incremental concentra-se no desenvolvimento de versões melhoradas de medicamentos já existentes, resultando em benefícios significativos para a eficácia, segurança e praticidade do tratamento.

Ela também inclui a descoberta de novas indicações para medicamentos já consumidos.

As estatinas, usadas para reduzir o colesterol, são um exemplo de inovação incremental, com novas versões desses medicamentos desenvolvidas para melhorar a eficácia e reduzir os efeitos colaterais.

A combinação de três medicamentos em um comprimido para o tratamento de HIV e AIDS também representa esse modelo, por simplificar o consumo e facilitar a adesão dos pacientes.

Vantagens

  • Aprimoramento: as melhorias graduais permitem a criação de medicamentos mais eficazes, seguros e com redução de efeitos colaterais, proporcionando benefícios diretos aos pacientes;
  • Ampliação da oferta: a inovação incremental pode resultar na criação de novas classes terapêuticas, oferecendo uma variedade de opções de tratamento a um custo potencialmente menor.

Desafios

P&D no processo de inovação farmacêutica

A Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) desempenha um papel crucial na inovação farmacêutica, impulsionando avanços que beneficiam a saúde da população. Entretanto, no contexto brasileiro, alguns desafios estruturais tornam-se obstáculos significativos para a independência nessa área.

Ao longo dos anos, observa-se um crescimento expressivo do déficit na balança comercial brasileira para medicamentos.

O país enfrenta dificuldades para exportar produtos acabados e prontos para venda, ao mesmo tempo em que importa quantidades massivas deles, revelando a necessidade de investimentos e estratégias mais eficazes.

O baixo investimento em ciência e tecnologia nas universidades e institutos de pesquisa é uma questão persistente. Esse fator impacta a capacidade do Brasil de inovar e desenvolver tecnologias farmacêuticas de forma autônoma.

Entre 2006 e 2016, 22.530 patentes relacionadas a medicamentos foram depositadas no país, mais nenhuma empresa nacional figurava entre as cem primeiras depositantes.

No cenário global, melhorar a produtividade da P&D requer uma redução no tempo dos ciclos clínicos e uma melhor compreensão do impacto das diferentes fontes de inovação, como aponta o relatório da Deloitte.

Apesar dos obstáculos, iniciativas recentes trouxeram passos importantes para estimular a inovação farmacêutica.

Merecem destaque a publicação da relação de produtos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS), a margem de preferência para fármacos produzidos no Brasil, as parcerias para o desenvolvimento produtivo (PDP) e os programas de apoio ao investimento no setor.

Principais tendências de inovação farmacêutica

O momento atual já é marcado por transformações profundas, e as perspectivas para o futuro da inovação farmacêutica também guardam um grande potencial.

Produção flexível

A produção flexível é uma tendência que visa adaptar-se rapidamente às mudanças na demanda e às variações no processo produtivo.

Utilizando tecnologias como a fabricação contínua, as empresas farmacêuticas podem melhorar a eficiência, reduzir custos e garantir a disponibilidade de medicamentos essenciais.

Inteligência Artificial

A IA já vem revolucionando a descoberta de novos medicamentos, acelerando o processo de triagem de compostos e identificação de candidatos a medicamentos.

Além disso, ela pode otimizar o design de ensaios clínicos, contribuindo para a eficiência e precisão nos estágios de desenvolvimento.

Big Data e Real World Data (RWD)

A análise de grandes conjuntos de dados, alinhando informações históricas e Dados do Mundo Real (RWD), proporciona insights valiosos sobre a eficácia e segurança dos medicamentos em condições práticas.

Essa abordagem aprimora a tomada de decisões em todas as fases, desde a pesquisa até o pós-lançamento.

Medicina de precisão e tratamentos personalizados

A medicina de precisão permite diagnósticos mais detalhados, e se soma à personalização de tratamentos com base nas características genéticas, ambientais e de estilo de vida dos pacientes.

Essa tendência promove terapias mais eficazes e com menor probabilidade de efeitos colaterais.

Assinatura de medicamentos

A assinatura de medicamentos surge como um modelo de negócios inovador, oferecendo acesso contínuo a medicamentos mediante pagamento recorrente.

Essa abordagem proporciona previsibilidade de custos para pacientes e oportunidades de fidelização para as empresas.

Blockchain

A tecnologia por trás das criptomoedas oferece maior transparência e segurança às cadeias de suprimentos farmacêuticas, combatendo a falsificação de medicamentos.

Registros imutáveis e rastreabilidade garantem a autenticidade e integridade dos produtos.

Terapias celulares

As terapias celulares representam uma revolução no tratamento de diversas doenças, utilizando células para restaurar, corrigir ou potencializar as funções do organismo.

Essa abordagem inovadora promete transformar a terapêutica convencional e criar uma nova era de prevenção.

Conclusão

A busca incessante por tratamentos mais eficazes, personalizados e acessíveis está moldando o futuro da medicina. À medida que exploramos as nuances da inovação na indústria farmacêutica, torna-se evidente que estamos no limiar de uma transformação significativa no campo da saúde.

A AEVO, como uma One Stop Shop de Gestão da Inovação e Estratégia, oferece uma parceria estratégica para empresas dispostas a contribuir com esse cenário inovador.

Além de oferecer uma plataforma robusta, a AEVO conta com uma consultoria de inovação especializada, guiando as organizações no desenvolvimento e implementação de ações inovadoras.

As soluções da AEVO podem atuar na capacitação das empresas e industrias, gerando ideias para lidar com os desafios da indústria farmacêutica, promovendo a pesquisa, o desenvolvimento e a implementação de soluções que impactam positivamente a saúde global, por exemplo.

Fale com um dos nossos especialistas e saiba como a AEVO pode ajudar no processo de inovação corporativa.

Livia Nonato

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atua na área de marketing, content e SEO há quatro anos, tendo como principal foco a otimização para mecanismos de busca, gestão e crescimento dos canais de aquisição orgânico, performance e growth. Experiência e conhecimento em SEO para empresas B2B e produtos complexos. Atualmente, é analista de SEO na AEVO e aborda temáticas de inovação e tecnologia como redatora do blog AEVO.

Livia Nonato

Livia Nonato

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atua na área de marketing, content e SEO há quatro anos, tendo como principal foco a otimização para mecanismos de busca, gestão e crescimento dos canais de aquisição orgânico, performance e growth. Experiência e conhecimento em SEO para empresas B2B e produtos complexos. Atualmente, é analista de SEO na AEVO e aborda temáticas de inovação e tecnologia como redatora do blog AEVO.

Compartilhe o post

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sidebar versão 2 para o copy AEVO One-Stop Shop de Inovação

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com nossos conteúdos sobre o universo da Inovação.