Joint Venture: o que é, como funciona e características

Joint Venture é uma associação econômica que trabalha parcerias estratégicas entre organizações com interesses comuns. Neste empreendimento conjunto, as empresas permanecem independentes, mas cooperam entre si para enfrentar desafios, explorar oportunidades e compartilhar riscos e recompensas.

Joint Venture é uma associação econômica que trabalha parcerias estratégicas entre organizações com interesses comuns. Ou seja, é a união de duas ou mais empresas visando o desenvolvimento de uma iniciativa em conjunto, por tempo limitado.

Para expandir a atuação, conquistar novos mercados e inovar em seus produtos e serviços, que são objetivos relevantes em qualquer empresa, a criação de Joint Ventures tem se mostrado uma estratégia altamente eficaz.

Essa abordagem oferece inúmeras oportunidades para a expansão, permitindo que as empresas compartilhem recursos, conhecimentos e riscos, de maneira sinérgica.

Apesar de normalmente ser vista como um procedimento para grandes organizações, a formação de Joint Ventures pode beneficiar empresas de todos os portes.

Nos EUA, 3.347 parcerias desse tipo estavam cadastradas como fornecedoras das agências federais em 2022, e podemos supor que elas representam apenas uma fração do cenário.

Entenda o conceito de Joint Ventures com detalhes, veja como essa estratégia pode ser utilizada para acelerar o crescimento dos seus negócios, explorar novos mercados e alavancar suas operações. Siga a leitura.

O que é Joint Venture?

Joint Ventures é uma associação econômica que trabalha parcerias estratégicas entre organizações com interesses comuns. Neste empreendimento conjunto, as empresas permanecem independentes, mas cooperam entre si para enfrentar desafios, explorar oportunidades e compartilhar riscos e recompensas.

O termo em inglês, significa um “empreendimento conjunto” ou “empresa conjunta”. Na prática, representa uma parceria entre duas ou mais empresas que decidem unir seus recursos, conhecimentos e esforços para alcançar objetivos específicos de negócios.

A ideia central por trás das Joint Ventures é combinar as forças e competências complementares das empresas, para criar uma sinergia que possibilite o alcance de metas que seriam difíceis ou impossíveis de conquistar individualmente.

As parcerias desse modelo podem abranger uma ampla variedade de setores e atividades, desde pesquisa e desenvolvimento conjuntos até expansão de mercado, distribuição de produtos, tecnologia, infraestrutura e muito mais.

As colaborações estratégicas podem ser breves ou duradouras, dependendo dos objetivos da parceria e do acordo entre as empresas envolvidas.

A flexibilidade das Joint Ventures permite que as organizações trabalhem juntas de forma ágil, aproveitando oportunidades emergentes e adaptando-se às mudanças do mercado.

Essa abordagem inovadora tem se mostrado uma alternativa eficaz para impulsionar o crescimento, reduzir custos e fortalecer a competitividade das empresas envolvidas.

Leia mais:
Startups: o que é, como funciona e exemplos
Inovação aberta: o que é, quais as fases e como fazer

Características do Joint Venture

As Joint Ventures são caracterizadas por várias especificidades que tornam esse tipo de parceria único e atraente para as empresas envolvidas.

Algumas das principais características incluem:

Independência e compartilhamento de controle

As empresas que se unem em uma Joint Venture permanecem independentes e mantêm o controle sobre suas operações individuais.

No entanto, elas compartilham o controle da nova entidade formada pela parceria, o que permite uma tomada de decisões conjunta para alcançar os objetivos estabelecidos.

Divisão de recursos

Uma das principais motivações para criar uma Joint Venture é combinar recursos financeiros, tecnológicos, humanos e de conhecimento entre as empresas parceiras.

Dessa forma, cada uma contribui com suas competências específicas, maximizando o potencial de sucesso da parceria.

Riscos e recompensas compartilhados

Ao unir forças, as empresas também compartilham riscos e recompensas.

Isso significa que os custos, investimentos e possíveis prejuízos são divididos entre as partes, assim como os lucros e benefícios alcançados com o sucesso do empreendimento conjunto.

Continue aprendendo: Governança Corporativa: conceito, finalidade e os 4 pilares

Acesso a novos mercados

Através das Joint Ventures, as empresas podem acessar novos mercados, seja em regiões geográficas distintas ou em setores nos quais não atuavam anteriormente.

Essa expansão proporciona oportunidades significativas de crescimento e diversificação de portfólio.

Transferência de conhecimento

A colaboração possibilita a transferência de conhecimento e expertise técnica, favorecendo a inovação e o desenvolvimento de novas tecnologias e produtos.

Flexibilidade e adaptação

As Joint Ventures oferecem maior flexibilidade e adaptabilidade para responder às mudanças do mercado e das condições econômicas.

Essa agilidade permite que as empresas se ajustem rapidamente a novas oportunidades e desafios.

Foco na eficiência

A otimização dos recursos e a redução de custos são objetivos frequentes das Joint Ventures.

Através da colaboração, as empresas podem compartilhar infraestrutura, logística e recursos humanos, o que leva a uma maior eficiência operacional.

Diferença de Joint Venture e Venture Capital

As Joint Ventures e o Venture Capital são conceitos distintos, cada um com sua própria natureza e propósito. Confira as principais diferenças entre eles:

Venture Capital

Definição: o Venture Capital (Capital de Risco) refere-se a investimentos feitos por investidores institucionais ou indivíduos que auxiliam empresas em estágio inicial ou empreendimentos que têm alto potencial de crescimento.

Controle limitado: os investidores de Venture Capital fornecem financiamento para a empresa, mas geralmente têm um controle limitado sobre as operações diárias e as decisões estratégicas.

Recursos: os investidores de VC assumem a responsabilidade por fornecer capital financeiro para permitir que a empresa cresça, expanda seus negócios e alcance seus objetivos.

Retorno financeiro: o objetivo principal do Venture Capital é obter um retorno financeiro substancial sobre o investimento, normalmente através de uma saída bem-sucedida, como aquisição ou IPO (Oferta Pública Inicial) do empreendimento.

Foco em empresas emergentes: o Venture Capital geralmente investe em startups e empresas em estágio inicial que estão buscando crescimento acelerado e inovação em mercados emergentes.

Joint Venture

Definição: a Joint Venture é uma parceria temporária ou permanente entre duas ou mais empresas independentes, com o objetivo de realizar um projeto específico ou desenvolver uma atividade comercial conjunta.

Controle compartilhado: as empresas que participam de uma Joint Venture compartilham o controle da nova entidade criada pela parceria, tomando decisões conjuntas.

Recursos compartilhados: ambas também contribuem com recursos financeiros, tecnológicos, conhecimento e expertise, que são combinados para alcançar os objetivos estabelecidos.

Independência das empresas: cada empresa envolvida na Joint Venture permanece independente e mantém suas operações normais fora da parceria.

Distribuição de riscos e recompensas: os riscos e recompensas são compartilhados entre as empresas parceiras, assim como os custos e os lucros.

Objetivo específico: a Joint Venture tem um objetivo específico e pode ser dissolvida após a conclusão do projeto ou alcance do objetivo.

Diferenças entre Joint Ventures, fusões e aquisições

As Joint Ventures, fusões e aquisições são estratégias de negócios utilizadas por empresas para alcançar diferentes objetivos de colaboração e crescimento.

Embora todas envolvam alguma forma de parceria ou integração entre empresas, suas características e impactos no negócio podem ser distintos.

Já vimos que as Joint Ventures são acordos de colaboração entre duas ou mais empresas independentes, que se unem para realizar um projeto específico ou desenvolver uma atividade comercial conjunta.

Elas podem ser uma opção vantajosa quando as empresas desejam explorar novos mercados ou combinar suas forças para competir em setores específicos.

As fusões, por sua vez, ocorrem quando duas empresas decidem se unir de forma permanente e originam uma única entidade.

Nesse processo, elas combinam seus ativos, operações e recursos para criar uma nova organização.

As fusões geralmente ocorrem com o objetivo de aumentar a escala de operação, melhorar a eficiência, ganhar maior competitividade e compartilhar custos. Ao contrário da Joint Venture, em uma fusão as empresas envolvidas perdem sua identidade original, e uma nova empresa é criada.

Aquisições, por sua vez, acontecem quando uma empresa adquire o controle acionário de outra, tornando-se sua proprietária majoritária. Nesse processo, ela assume o controle das operações e da gestão da empresa adquirida.

As aquisições podem ser estratégicas para o crescimento rápido de uma empresa, permitindo o acesso a novos mercados, tecnologias, clientes ou recursos.

No entanto, ao contrário das fusões, a empresa adquirida pode manter sua identidade corporativa e ser integrada à estrutura da organização adquirente.

Exemplos de Joint Venture

Existem alguns exemplos reais que demonstram como as Joint Ventures podem ser estratégicas para o crescimento e a competitividade das empresas, permitindo a combinação de recursos, expertise e alcance de mercado para atingir objetivos comuns e impulsionar o sucesso nos negócios.

McDonald’s e Coca-Cola

A parceria entre a McDonald’s e a Coca-Cola é um exemplo clássico de joint venture no setor de alimentos e bebidas.

As empresas se uniram para aproveitar a sinergia entre seus produtos, onde a Coca-Cola é a fornecedora exclusiva de bebidas não alcoólicas nos restaurantes da McDonald’s em todo o mundo.

Marcas como Fanta, Del Valle e Crystal, pertencentes à Coca-Cola, também foram incluídas nessa parceria, que permitiu às duas empresas o aumento de sua presença global e a expansão de seus negócios.

Sony Ericsson

A parceria entre a Sony e a Ericsson, em 2001, resultou na criação da joint venture voltada para o mercado de telefones celulares.

A colaboração entre as duas empresas reuniu as tecnologias de ponta da Sony em dispositivos móveis com a experiência da Ericsson em infraestrutura de telecomunicações.

A Sony Ericsson teve grande sucesso por muitos anos, até que os avanços de competidoras impactaram o projeto.

Hoje, a Sony adquiriu parte da Ericsson e descontinuou a produção de aparelhos com o nome da parceria.

Petrobras e Total S.A.

Essa joint venture com participação brasileira foi formalizada em 2017, para desenvolver projetos conjuntos no setor de exploração e produção de petróleo no Brasil e em outras regiões.

Ambas as empresas têm uma presença significativa no mercado brasileiro e global, o que tornou essa parceria estratégica ainda mais relevante.

Ela permitiu à Petrobras e à Total combinar seus conhecimentos técnicos, experiências e recursos financeiros para realizar atividades de exploração e produção de petróleo e gás em águas profundas e ultra profundas do Brasil.

A colaboração resultou em ganhos de eficiência e compartilhamento de riscos, o que é especialmente benéfico em projetos complexos e de alto custo como os da indústria de petróleo.

Conclusão

As joint ventures têm o potencial de impulsionar o crescimento, a inovação e a competitividade das empresas envolvidas, além de abrir novas oportunidades de negócios e mercados.

Ao optar por essa parceria, as empresas precisam considerar cuidadosamente seus objetivos, estratégias e expectativas, além de estabelecer acordos e termos claros para garantir o sucesso da parceria.

É importante também contar com o suporte de ferramentas de gestão e a expertise de especialistas que facilitem o processo.

Com foco na gestão da inovação, a solução da AEVO, uma One-Stop Shop completa de Inovação e Estratégia, entrega todo o necessário para as empresas impulsionarem suas iniciativas de inovação e estratégia corporativa.

Fale com um dos nossos especialistas e confira na prática como a AEVO pode impulsionar a sua empresa e suas parcerias estratégicas.

Livia Nonato

Formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atua na área de marketing, content e SEO há quatro anos, tendo como principal foco a otimização para mecanismos de busca, gestão e crescimento dos canais de aquisição orgânico, performance e growth. Experiência e conhecimento em SEO para empresas B2B e produtos complexos. Atualmente, é analista de SEO na AEVO e aborda temáticas de inovação e tecnologia como redatora do blog AEVO.

Compartilhe o post

Facebook
LinkedIn
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sidebar versão 2 para o copy AEVO One-Stop Shop de Inovação

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com nossos conteúdos sobre o universo da Inovação.