Processo de inovação: o que é e quais as etapas

O processo de inovação concretiza um pensamento estratégico, pois cada nova sugestão passa por filtros para indicar se poderá realmente trazer mudanças significativas em relação aos objetivos centrais do negócio.

Empresas que desejam inovar podem ter dificuldades para ter um fluxo consistente de boas ideias, sem perder de vista os objetivos estratégicos ou a gestão do negócio da maneira como ele é. Um processo de inovação é a ferramenta certa para unir as duas partes, alcançando um crescimento sustentável para manter-se firme ao mesmo tempo em que se transforma.

O que é um processo de inovação?

O conceito de inovação consiste na aplicação de uma nova ideia para melhorar a forma como algo é feito na empresa. Ela pode estar relacionada a novas tecnologias ou formas de administrar o negócio.

Já um processo é uma sequência de passos que, quando repetidos, conduzem a um resultado esperado. Um processo de inovação, portanto, permite aplicar essa lógica para fazer com que as ideias se transformem em melhorias efetivas para a empresa.

O processo de inovação concretiza um pensamento estratégico, pois cada nova sugestão passa por filtros para indicar se poderá realmente trazer mudanças significativas em relação aos objetivos centrais do negócio.

Por que ter um processo de inovação na sua empresa?

Implementar processos de inovação permite que organizações de todos os portes se tornem mais competitivas, por trazer benefícios como:

Maior otimização do tempo

Esse é um dos benefícios mais diretos, visto que o processo de inovação possibilita agilidade para desenvolver e testar ideias.

Como existem etapas bem definidas, líderes e equipes não precisam planejar como cada novo projeto deve ser conduzido, e podem seguir os modelos existentes, realizando pequenos ajustes para atender às especificidades de uma iniciativa.

Diminuição dos erros

Como um processo está diretamente ligado à padronização, ele possibilita identificar e eliminar erros com grande eficiência. Podemos abordar o processo de inovação como um mapa, que leva da situação atual para um cenário melhor. Caso este fim não seja alcançado, existem duas possibilidades:

  • O processo não foi seguido, e neste caso basta recomeçá-lo, tomando medidas para evitar que os profissionais saiam do caminho no futuro;
  • O processo não está bem traçado, e neste caso é possível agir para traçar um mapa mais adequado à realidade concreta.

Esteira de novidades

Quando o processo de inovação é aplicado aos produtos, o negócio terá uma entrega constante de novos produtos ao mercado, atraindo sua atenção com os seguidos lançamentos.

A indústria de aparelhos eletrônicos é um exemplo evidente e bem-sucedido dessa abordagem, assim como a de softwares e serviços por assinatura, que recebem atualizações para manter o interesse do público.

Engajamento dos colaboradores

É cada vez maior o número de talentos que buscam desafios e formas diferentes de fazer as coisas. Trabalhar com um processo de inovação permite atrair, reter e engajar esses profissionais, garantindo que eles terão um espaço aberto para sugerir e testar suas ideias na prática.

Etapas do processo de inovação

As etapas em um processo de inovação dependem de como a organização foi construída, quais são os indivíduos envolvidos e o contexto que essas inovações serão estudadas.

1 – Pesquisas e ideias

Nessa primeira etapa temos a necessidade de uma pesquisa para obter conhecimento do que está sendo procurado pelo mercado, ou quais problemas internos estão afetando a organização.

Para isso, devemos buscar informações especialmente com os colaboradores, clientes e especialistas, ganhando uma visão ampla da situação.

A partir dos dados, serão levantadas as propostas de solução – o que deve ser feito para obter um resultado melhor. A gestão da empresa tem um papel decisivo nessa etapa, e precisa garantir um clima de incentivo para que os colaboradores apresentem suas melhores ideias.

A empresa também pode investir em treinamentos para desenvolver as habilidades analíticas,  criativas e comunicativas dos profissionais, fazendo com que as suas propostas ganhem mais densidade e sejam compartilhadas de modo compreensível pelos colegas.

2 – Triagem e desenvolvimento

O processo de inovação deve conter alguns requisitos para a escolha das melhores ideias. É importante que esses critérios sejam definidos a princípio, evitando que opiniões e afinidades tenham grande influência na seleção das propostas.

A triagem deve considerar todos os aspectos da ideia para identificar claramente os seus benefícios e riscos; dessa forma é possível desenvolver uma sugestão mais forte, ou descartar as que não passam pela avaliação.

Não esqueça de trabalhar com feedbacks. As pessoas/equipes responsáveis pelas propostas escolhidas devem saber o que fazer em seguida, e quem sugeriu ideias descartadas precisa entender como contribuir melhor nas próximas oportunidades.

3 – Experimentação e protótipo

Nessa fase temos a experimentação da ideia. Aqui verificamos se é possível, de fato, implementar a inovação.

Para reduzir os erros e custos, será criado um protótipo contendo apenas as características mais importantes do projeto. O mercado de softwares trabalha muito bem com essa ideia, lançando versões alpha ou beta de seus produtos, que receberão novas funções ao longo do tempo.

Para avançar, o protótipo não precisa entregar todos os objetivos definidos inicialmente, mas deve apresentar algum tipo de resultado concreto, com retornos maiores do que o investimento aplicado em sua construção.

4 – Comercialização

Além de construir uma versão mais robusta para entregar ao mercado, nessa etapa a empresa também investirá em apresentar a ideia, mostrando ao consumidor porque ela é importante, quais são os benefícios e o que de fato é novo nesse produto.

Se na fase de pesquisa nós identificamos um problema ou necessidade do cliente, agora é fundamental comercializar a inovação atingindo diretamente esse ponto.

5 – Gestão da inovação

É hora de olhar o processo de inovação e identificar os seus pontos fortes, bem como os erros que podem ser melhorados no próximo ciclo.

A gestão de inovação tem como objetivo garantir que a empresa realmente alcance os benefícios esperados, combinando as melhores práticas administrativas e o desejo por tornar os processos ainda mais eficientes.

6 – Melhoria contínua

Se no passado as empresas prosperavam comercializando o mesmo produto por anos ou décadas, hoje é preciso direcionar os negócios com base numa visão de melhoria constante. Ela se baseia em atualizações para aperfeiçoar a ideia inicial, ou até mesmo atender novas necessidades que surgiram após a construção do projeto.

Ela requer um esforço de monitoramento para compreender as novas necessidades do mercado, ou os novos problemas da organização, recomeçando o processo da primeira etapa.

A melhoria constante pode seguir os mesmos ciclos usados no processo de inovação, mas costuma trabalhar com ciclos mais rápidos e menos recursos, pois não busca recriar algo do zero.

Conclusão

Implementar um processo de inovação faz com que uma empresa mantenha-se atualizada, sem perder o foco em sua gestão estratégica. É o caminho para inovar como um meio, usando as novas criações como uma forma de atingir seus objetivos organizacionais.

Essa abordagem se torna ainda mais eficiente quando é apoiada por uma ferramenta capaz de gerir e aprimorar processos inovadores, como o AEVO Innovate. Você pode solicitar uma demonstração gratuita para saber como impulsionar o seu negócio usando o maior software de gestão da inovação na América Latina!

Deixar uma resposta

Assine nossa newsletter

Fique sempre atualizado com nossos conteúdos sobre o universo da Inovação.


    Eu li e concordo com a Política de Privacidade.