A empatia como força motriz em programas de inovação

A palavra empatia se tornou um mantra ultimamente, principalmente no mundo dos negócios. De forma simples, empatia significa uma competência de compreensão dos sentimentos e emoções dos outros. Como quase todas as competências, tem uma parte inata e outra adquirida, podendo variar de pessoa para pessoa. Ser empático permite uma interpretação do indivíduo e do grupo ao mesmo tempo, fomentando interações mais colaborativas.

Entretanto, paira no ar uma grande dúvida de como desenvolver a empatia especificamente em ambientes corporativos. Indiscutivelmente, compreender os outros é um fator decisivo no desenvolvimento e direcionamento de objetivos estratégicos. De colaboradores à clientes, os constantes comportamentos dessas pessoas dirão para qual rumo a organização deverá seguir. Quando praticada, a empatia traz grandes benefícios para esses grupos. Colaboradores de modo individual sentem uma melhora significativa no equilíbrio emocional, engajamento e produtividade. Em grupo visualizam um aumento do sentimento de pertencimento e de um ambiente mais integrado. Já os clientes começam a perceber a entrega de verdadeiras soluções, por constatarem que estão sendo escutados.

A empatia é elementar para pessoas e organizações nos dias de hoje. Desenvolver essa competência para apoiar um programa de inovação, por exemplo, é necessário e desafiador, além de requerer alto comprometimento com a causa. Mas afinal, como desenvolver essa competência tão atual e necessária? Abaixo vamos tocar em pontos cruciais para que você aplique na sua realidade.

CONHEÇA VOCÊ

Para compreender os outros é preciso antes de mais nada conhecer você. Trace um perfil com suas forças e fraquezas, para poder ter controle sobre potenciais situações que possam prejudicar você e outras pessoas. Reflita constantemente em momentos onde você se conecta com a sua mente.

OUÇA MAIS

Outro ponto importante é buscar ser um melhor ouvinte. Hoje muitos querem falar, mas poucos querem ouvir. Sempre que for conversar com alguém, esteja aberto, para poder se conectar a ela e ter uma interpretação profunda da mensagem. É importante também mostrar interesse sobre o assunto, para que a conexão seja mantida não somente naquele momento da conversa.

FUJA DOS PREJULGAMENTOS

Estamos acostumados a prejulgar as pessoas sob a nossa perspectiva. Conviver com as diferenças é um dos pontos-chave da empatia. Temos o hábito de julgar antes de tomar conhecimento do fato. Empatia não tem a ver com dizer para o outro que fazer e/ou ser, mas sim sentir o que o outro está sentindo naquele instante. Saiba que cada pessoa tem formas diferentes de lidar com as coisas e compreender isso é ser empático. 

RECONHEÇA E CONTRIBUA

É fundamental o exercício do reconhecimento, buscando extrair o melhor das pessoas e dando valor a elas. Outro ponto essencial é a contribuição como forma de colaboração, possibilitando que haja um alto nível de engajamento entre todos os envolvidos. Críticas construtivas somam e facilitam o caminho de pessoas, equipes e organizações.

Antes de seguir com as sugestões acima, esteja disposto de fato a incorporar a empatia como uma competência essencial para você, sua equipe e sua organização. Também é importante tomar cuidado com algumas interpretações erradas sobre algumas situações. Saiba diferenciar empatia de simpatia, evitar a formação de grupos e isolamento de pessoas/áreas nas organizações, e paternalismos. Em suma, a empatia é uma competência que agrega para a pessoa e o seu entorno.

Posts Relacionados
Flávio Marques traz 6 modelos de relacionamento de grandes empresas para com as startups para
Flávio Marque bebe da fonte das famosas startups para trazer 7 valiosas lições que toda
Dessa vez nós preparamos 5 cases de Inovação Aberta para você se inspirar e começar

Deixe uma resposta