Como o Design Thinking pode ser sua principal ferramenta para a resolução de problemas.

Como o Design Thinking pode ser sua principal ferramenta para a resolução de problemas - AEVO Innovate Ideas

Em um mundo tão acelerado e competitivo como o que vivemos atualmente, as empresas têm precisado, cada vez mais, de soluções inovadoras. Um dos grandes desafios enfrentados pelos profissionais em suas carreiras, nos dias atuais, é suportar pressão por resultados cada vez mais imediatos – e dotados de nível máximo de eficiência -, exigências que têm feito com que se opte sempre pelo caminho mais seguro e de menos riscos. 

Se antes ser criativo e inovador era um diferencial, agora se torna um fator competitivo e essencial para desenvolver melhores produtos, resolver  problemas com mais eficiências e atender as reais necessidades dos clientes. Graças a práticas como o Design Thinking o mercado chegou a uma maneira de encontrar as soluções mais inovadoras para problemas e necessidades reais do mercado, sem se iludir com suposições estatísticas. 

Mas…

O que é o Design Thinking? Como aplicá-lo?

Mais do que uma busca por soluções práticas, o Design Thinking é uma abordagem criativa baseada no processo de criação dos designers, daí o nome. No mercado de trabalho, designers e publicitários são conhecidos como os profissionais que mais pensam “fora da caixa” e nunca se focam no problema, mas sim na solução; e, sabendo qual o resultado desejado, buscam-se formas de alcançá-lo a partir do problema. Baseado nesse conceito, o Design Thinking se utiliza de um pensamento lógico, da imaginação, da empatia e, também, de muita intuição.

Podendo servir para diversas coisas, desde de criação de produtos e serviços, até melhorias incrementais como ferramentas ou tecnologias, o Design Thinking pode ser aplicado em qualquer cotidiano de qualquer empresa para resolução de problemas. Sua utilização se dá, principalmente, na criação de novos produtos e serviços, mas, a lista de utilidades é extensa: pensar em soluções para problemas de empresas e seus clientes, desenvolver novas ferramentas e até marcas… enfim, para fazer inovação na prática. Vale ressaltar que o Design Thinking é uma abordagem e não uma metodologia. Método é uma palavra associada à uma fórmula matemática que se aplica em qualquer situação. Este não é o caso aqui. 

O Design Thinking trabalha com uma abordagem que visa a solução de problemas de forma coletiva e colaborativa, em uma perspectiva de empatia máxima com seus interessados: as pessoas são colocadas no centro de desenvolvimento do produto – não somente o consumidor final, mas todos os envolvidos na ideia. O processo pode ser aplicado mapeando e mesclando a experiência cultural, a visão de mundo e os processos inseridos na vida dos indivíduos, no intuito de obter uma visão mais completa na solução de problemas e, dessa forma, melhor identificar as barreiras e gerar alternativas viáveis para transpô-las. 

O Design Thinking tem etapas que podem ser resumidas em:

 

Design Thinking na Inovação

Descobrir onde encontrar caminhos para inovar envolve, primeiramente, conhecer a si mesmo e ao ambiente externo. Conhecer seus pontos fortes, as fragilidades da concorrência e as condições macroeconômicas. Análise SWOTbenchmarking, pesquisas de mercado e reuniões multidisciplinares te conduzirão às respostas para esse ponto.

Nessa etapa é necessário fazer uma imersão, compreendendo o problema e o seu contexto pois, é na hora da imersão em que se deve buscar oportunidades de inovação. Será que estão dentro da empresa ou no próprio mercado? Quais são os pontos fracos da concorrência e os pontos fortes da sua empresa? Fazer esses questionamentos ajuda na identificação da oportunidade. Também é muito importante a colaboração ou cocriação entre diferentes pessoas, criando um conjunto multidisciplinar de saber para que possam surgir idéias e insights inovadores para os problemas observados. 

 

Descoberta

Essa é a fase em que se deve buscar informações sobre o problema do usuário/cliente e viver experiências de empatia para entender melhor o que ele precisa. É necessário, portanto, conhecer a fundo o seu público, bem como suas reais necessidades, para isso, converse, entreviste, interaja e observe seus hábitos e comportamentos. Busque entender a experiência do seu usuário: a forma como ele interage com os concorrentes ou os caminhos que ele precisará percorrer para poder chegar até você. Pense na melhor estratégia para se coletar o maior número possível de dados necessários sobre o usuário do seu serviço ou produto. 

Para realizar esse processo da melhor maneira possível, urge a necessidade de uma plataforma de gestão de ideias. A AEVO Innovate te possibilita envolver o principal ativo do seu negócio, as pessoas, para obter ideias inovadoras e atingir resultados extraordinários. Com ela é possível lançar desafios, estimular a participação e colaborar, analisar e implantar ideias mais aderentes a estratégia do negócio, implantando-as e acompanhando o progresso da inovação. Solicite sua demonstração!

 

Desenvolvimento do Produto ou Serviço

Aqui, será desenvolvido o produto ou serviço partindo, não de pressuposições ou análises estatísticas frias, mas a partir das necessidades e percepção de valor do cliente, por isso, é importante desenvolver produtos melhores tendo o usuário como aliado. Depois de coletar todas as informações necessárias, interprete os resultados da sua pesquisa à luz desses novos fatos. Busque entendê-los para além da análise inicial e a partir daí organize-os, seja por viabilidade técnica, por esforço, ou da forma que melhor atender seu processo. Destaque oportunidades descobertas ao longo da etapa de pesquisa e não deixe de gerar ideias ao longo desse tempo. Elas vão amadurecendo conforme conhecemos mais sobre o projeto e agora já podem ser filtradas por relevância.

Prototipagem (MVP)

Esse é o momento de tirar as ideias do papel e concretizá-las em um primeiro protótipo, algo que simule o produto final. Realizar protótipos com as suas ideias são uma excelente maneira de errar com baixo custo, ver com antecedência se o projeto é executável ou não e se ele resolve o problema inicial. Na fase de protótipos se faz necessário compreender que a solução deve ser para o público e não para você. Nem sempre a ideia que você mais gostou vai ser a que vai resolver o problema. Por isso, mantenha um distanciamento da sua ideia favorita e analise-a com frieza e sob a perspectiva do público.

Implementação

Após testes com respostas positivas acerca de seu produto, ele já está pronto para ser lançado. É importante entender que o processo de desenvolvimento do produto é contínuo e incremental, ou seja, sua ideia será melhorada permanente através um processo de co-participação entre todos os seus stakeholders (clientes, fornecedores e colaboradores). Nesta etapa, correções e alinhamentos ainda são possíveis, uma vez que os usuários irão interagir com a solução e novos problemas irão surgindo. Ou seja, você pode até ter chego ao final do processo, mas o seu produto ou serviço deve estar em constante adaptação e melhorias. Os dados recolhidos nas fases iniciais são imprescindíveis para esses ajustes. Nesta etapa, o empreendedor deve buscar a validação das suas ideias junto às pessoas interessadas e possíveis clientes para captar a percepção e encontrar possíveis ajustes necessários e gerar um conhecimento contínuo ao longo do processo de implementação.

 

Como aplicar o Design Thinking? É aplicável em pequenas e médias empresas?

Tem se tornado cada vez mais comum pequenas e médias empresas adotarem o Design Thinking, sua prática se encaixa em qualquer setor do negócio: gestão empresarial, vendas, marketing e planejamento estratégico, por exemplo, e é aplicável em pequenas, médias e grandes empresas. Desde que exista um problema a ser resolvido ou uma inovação a ser criada, o Design Thinking pode ser aplicado. 

A sua aplicação na empresa pode ocorrer em diferentes situações. O que se deve ter em mente nessa hora é que, quanto mais multidisciplinar for a equipe envolvida na abordagem, mais insights poderão surgir. O essencial é que esses profissionais desenvolvam a empatia durante o processo, de modo a compreender realmente os anseios do cliente. 

Um exemplo de um case de sucesso criado a partir do Design Thinking foi a da Havaianas, a empresa recorreu ao Design Thinking para elaborar a estratégia de lançamento de suas bolsas. A intenção era que as bolsas mantivessem a brasilidade e transmitisse um estilo descontraído e alegre, algo que já era observado nas sandálias. O primeiro passo foi entrevistar pessoas de todo o Brasil para identificar certas características do povo brasileiro que pudessem ser transmitidas nas bolsas. A pesquisa foi feita também em outros países com o objetivo de manter a coerência com os mercados internacionais. Depois, a Havaianas desenvolveu diversos protótipos, os quais foram testados, avaliados e adaptados até que a empresa chegou a um modelo ideal, lançado no São Paulo Fashion Week.

Conclusão

O conceito de multidisciplinaridade, assim como as demais ideias presentes no Design Thinking, como empatia e criatividade, traz grandes benefícios quando aplicadas diariamente em uma organização. Mas esteja ciente que, embora o modelo seja de fácil compreensão, isso não significa que a solução será simples. É preciso se empenhar e, acima de tudo, colocar a cabeça para funcionar.

Posts Relacionados
Ser empreendedor está a frente de possuir uma grande corporação e ter muitos bens. Empreender
Você provavelmente tem escutado falar bastante sobre inovação. E deve se perguntar: Como aplicar isso?
O Recursos Humanos setor responsável pela gestão do capital humano é o que lida com