O que é IPO ou Oferta Pública Inicial?

o-que-é-ipo

Com a taxa de juros básica do Brasil, a taxa Selic, em suas mínimas históricas, investidores tem buscado diversificar seu patrimônio para obter maior rentabilidade, e uma alternativa que vem se tornando cada vez mais popular é o mercado de ações.

A bolsa de valores brasileira, mais conhecida como B3, é uma das opções que constituem a renda variável, opção esta que promete trazer maiores retornos financeiros em comparação à renda fixa, todavia, também possuem um risco mais elevado.

De 2011 a 2016 o número de CPFs registrados na bolsa, ou seja, a quantidade de investidores pessoa física que compraram alguma ação, era cerca de 500 mil. Em 2020, esse número ultrapassou 2,4 milhões.


O que é IPO?

IPO é uma sigla para Initial Public Offering, ou Oferta Pública Inicial e ocorre quando uma empresa faz sua estreia na bolsa de valores.

Para ingressar na B3, é necessário que a empresa seja uma S/A – Sociedade Anônima – e possua capital aberto. Isto é, a partir do momento que a empresa faz seu IPO, ela deve fornecer relatórios de seus balanços financeiros de forma pública, para que qualquer pessoa possa consultar.

Ao entrar na bolsa de valores, a companhia disponibiliza uma parte de suas ações ao mercado, contudo, na maior parte dos casos, os proprietários continuam sendo os acionistas majoritários, possuindo maior controle de decisão.

Para saber quais empresas farão um IPO clique aqui.


Por que uma empresa faz um IPO?

Agora que você já tem conhecimento sobre o que é IPO, uma segunda questão pode vir à tona: quais são os motivos que levam uma empresa a abrir seu capital para o mercado?

Empreendimentos que almejam crescimento necessitam de recursos, e muitas vezes a receita proveniente das vendas de produtos e serviços não é o suficiente. Para isso, elas possuem diferentes formas de obter capital externo: empréstimos bancários, debêntures, investidores anjo e ações.

Uma das grandes vantagens de abrir o capital na B3, consiste na venda de ações para pessoas físicas, visto que a empresa não precisa pagar juros ao credor, como um empréstimo, do mesmo modo, tal venda não possui vencimento como um título de debênture, onde é obrigatório pagar o valor obtido do investidor acrescido de uma taxa pré-fixada ou atrelada ao CDI ou IPCA.

Além disso, empresas que estão na bolsa há pouco tempo, geralmente não pagam dividendos a seus acionistas, pois usam o capital para reinvestir em seu negócio.

Por outro lado, empresas mais maduras e consolidadas, utilizam parte de seu lucro e distribuem aos acionistas, de forma proporcional.


Como funciona o IPO?

Para fazer uma Oferta Pública Inicial, a empresa precisa não só conhecer todos os detalhes sobre o que é um IPO, como estar devidamente regularizada. Esse processo é longo e custoso, podendo chegar na casa de milhões. Afinal, para tornar a participação acionária algo vantajoso para a companhia, é necessário um longo tempo de estudo.

Alguns meses antes é necessário divulgar o histórico das movimentações financeiras e realizar a transição para o modelo S/A. Ademais, são necessários pelo menos três anos de balanços auditados. Portanto, se sua companhia está considerando fazer um IPO nos próximos anos e ainda não passa por auditoria, saiba que é uma obrigatoriedade.

Após essa etapa, a empresa envia os documentos para CVM – Comissão de Valores Mobiliários, solicita a listagem na B3 e comunica a imprensa sua intenção, para gerar animo no mercado.

Investidores que acreditam no potencial da companhia podem enviar ofertas anonimas através das corretoras de valores, estipulando um preço para a ação. Em seguida, todos os valores sugeridos são analisados para então definir o preço inicial da ação e estrear na bolsa valores.

O investidor pode comprar três categorias de ações:

Ações Ordinárias [ON] – Terminadas em 3

  • O investidor detém direito de eleger membros do conselho de administração da empresa.
  • Se porventura a empresa vier a falência, esses acionistas serão os últimos a receber qualquer valor.
  • Se a empresa da qual você é acionista for adquirida por outra, a compradora é obrigada a recomprar suas ações ordinárias e oferecer pelo menos 80% do valor que ofereceu para a controladora da empresa.


Ações Preferenciais [PN] – Terminadas em 4

  • O investidor não possui direito a eleger nenhum membro do conselho.
  • Conta com prioridade para receber dividendos em relação as acionistas de ações ordinárias.
  • Essas ações geralmente possuem maior liquidez.
  • A empresa detentora das ações, se desejar, pode recompra-las do acionista.


Unit – Terminadas em 11

  • Podem ser compostas por um conjunto de ações, BDRs e bônus de subscrição. Exemplo: A Unit do Banco Santander SANB11 possui 1 ON e 1 PN.

Vantagens e desvantanges do IPO

Agora que já conhecemos mais sobre o que é IPO, vamos esclarecer seus benefícios e malefícios para entender um pouco melhor porque algumas empresas decidem entrar no mercado de ações e outras não.


Vantagens

  • Mais recursos para quitar dívidas, expansões, investimentos em tecnologia e infraestrutura, contratações, etc.
  • Maior liquidez, pois transforma parte da empresa em dinheiro.
  • Ganho de valor de mercado, em vista da transparência exigida para estar na bolsa de valores. Caso a empresa tenha necessidade de ser vendida, facilita o processo.
  • Mídia espontânea, que pode gerar publicidade positiva e aumentar o lucro da organização, pelo ganho de credibilidade.

Desvantagens

  • Menor controle, dado que parte da empresa está distribuída entre milhares de pessoas.
  • Necessidade de divulgar vários dados financeiros e de governança, o que pode ser tornar prejudicial caso a empresa perca a confiança de seus acionistas e investidores em razão de um trimestre com prejuízos.

Categorias de empresas que são listadas na Bolsa de Valores – B3

De acordo com Peter Lynch, antigo gestor do maior fundo de ações do mundo, o Fidelity Magellan Fund,  essas são as categorias de empresas:

  • Baixo crescimento: organizações já são consolidadas, não possuem um horizonte de crescimento à vista. Distribuem mais dividendos uma vez que não precisam reinvestir tanto em seus próprios negócios.

Exemplo: Bancos


  • Médio crescimento: companhias mais resistentes a crises, costumam crescer em média 10% ao ano. Não são as maiores do mercado, mas também não são tão promissoras.

  • Alto crescimento: podem crescer 100% ao ano, são novas e estão em busca de mercados mais inovadores.

Exemplo: Small Caps e Startups


  • Cíclicas: dependem dos preços das commodities e tem um padrão facilmente previsto.

Exemplo: Suzano e Vale.


  • Turn arouds: estão perto da falência ou passando por reestruturações, mas os investidores acreditam em sua ”volta por cima”.

Exemplo: OI


  • Asset Plays: empresas que possuem ações a qual o mercado acredita estarem avaliadas de forma incorreta, pois o preço atual não reflete o valor atual dos ativos da empresa exibidos em seu balanço patrimonial.

Exemplo: Rede de hotéis em que todos os prédios do grupo, valem mais do que o patrimônio líquido listado no balanço.


E o que o investidor ganha com isso?

Vimos tudo sobre o que é IPO eo que as empresas ganham estando na bolsa de valores. Agora iremos explicar o que você, investidor, pode conquistar apostando em empresas de capital aberto.

  • Dividendos: fazem parte do lucro que a empresa distribui aos acionistas. Eles podem ser em dinheiro ou em ações.

Exemplo: você adquiriu 100 ações que pagam todos os meses R$0,05 por ação, logo, você irá receber R$5,00 mensalmente de forma passiva.

  • Valorização: ações são indicadas para quem busca retorno a longo prazo. Se você tivesse comprado uma ação de VALE3 – Vale – em 13 julho de 2020 a R$57,65, em 07 de janeiro de 2021, poderia vender essa mesma ação a R$102,32
  • Juros sobre capital próprio: conhecido como JCP, são mais uma forma de retorno sobre o investimento em ações. São benefícios distribuídos aos acionistas em forma de dinheiro, além dos dividendos, para que a empresa pague menos impostos, uma vez que são considerados parte da despesa, ou seja, com um lucro menor, o imposto incide sobre um valor menor.
  • Subscrição: as empresas podem fazer uma segunda emissão de ações, além daquelas vendidas em seu IPO, e os investidores interessados que já são acionistas da companhia, podem adquirir essas ações com um ‘’desconto’’.

Exemplo: ITSA4 – Itaú – irá lançar 50.000 ações no mercado a R$25,00 – entretanto, quem fizer parte da subscrição poderá adquirir até 50 ações por R$22,00.


Exemplos de IPO

Em 2020 diversas empresas fizeram IPO buscando superar impasses econômicos para expansão de mercado.

Confira alguns deles:

  • Aeris: R$1,1 bilhão
  • Track & Field : R$454,7 milhões
  • Méliuz: R$583,4 milhões
  • Enjoei: R$1,1 bilhão
  • Locaweb: R$1 bilhão  
  • Petz: R$3 bilhões

E você, participou de algum deles?


Conclusão

As ofertas públicas iniciais são uma ótima maneira de empresas aumentaram seu patrimônio para expandir seus negócios e tornar seus produtos e serviços ainda melhores para os consumidores, bem como são uma boa oportunidade para investidores diversificarem sua carteira, investindo em empresas que acreditam.

Vimos que para fazer um IPO são necessárias algumas etapas antes da grande estreia na B3. Que tal dispor de um Software de Gestão da Inovação para gerenciar suas equipes e projetos rumo ao IPO? Conheça o AEVO Innovate e fale com um de nossos especialistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *