Big Techs: O que são? Conheça as principais da atualidade

big-techs

O uso de recursos tecnológicos como redes sociais, sites de busca, e-commerce, entre outros, já fazem parte da nossa rotina. Muitos desses dispositivos são oferecidos pelas big techs, um grupo de companhias que marcam presença em várias áreas da sua vida.

As big techs dominam o mercado da tecnologia – mas o que são e como elas alcançaram esse feito? É o que vamos entender nesse artigo!


Quem são as big techs?

As Big Techs são as empresas gigantes em tecnologia que ocupam os primeiros lugares no mercado há um bom tempo. Elas desenvolvem produtos e serviços inovadores e escaláveis.

A principal característica das big techs é a inovação. Para estarem sempre adaptadas ao mercado, seus serviços estão em constante atualização, através de ideias e soluções criativas que buscam a evolução do portfólio atual e o desenvolvimento de novas tecnologias.

A inovação é cada vez mais uma necessidade indispensável para se manter no mercado, lidar com crises e conquistar um público fiel.

Companhias como Toshiba (1875), HP (1939), Sony (1946), LG (1947) e Samsung (1969), são empresas conhecidas mundialmente e fazem parte da vida de muitos. Elas são exemplos de big techs mais tradicionais, que conseguiram manter seu lugar no mercado por décadas.

Aproveitando e impulsionando a transformação digital, um novo grupo de big techs assumiu as posições de destaque, por entender precisamente como funciona o novo mundo no qual estamos vivendo.


As principais big techs do mundo atual

As maiores corporações do mercado tecnológico também são conhecidas hoje como Big Five. Estes grupos enormes são responsáveis por oferecer recursos variados aos consumidores, tendo presença garantida em nossos computadores e smartphones.

Como você chegou até esse artigo, eu posso garantir que está usando produtos e/ou serviços criados por algumas delas. As principais big techs de hoje são: Alphabet Inc., Amazon, Apple, Facebook e Microsoft.


Alphabet Inc. (Google)

A Alphabet  Inc. é a holding que administra todos os serviços relacionados ao Google, fundado em 1998 pelos cientistas da computação Larry Page e Sergey Brin. Além do sistema de buscas que para muita gente é quase um sinônimo de “internet”, o grupo também está à frente de marcas como:

  • YouTube;
  • O Android, sistema operacional para smartphones;
  • O navegador Google Chrome;
  • Ferramentas e aplicativos como Gmail, Google Maps, Google Drive, Google Meet, Google Play, entre muitos outros.

Amazon

É uma companhia multinacional de tecnologia fundada em 1994 por Jeff Bezos, conhecida pelo seu grande comércio eletrônico. É através do e-commerce, que essa big tech produz sua maior porcentagem de lucro – só no primeiro trimestre de 2021 o valor foi de US$ 108,5 bilhões.

Entre seus produtos estão a venda de ebooks, o leitor digital Kindle, e os serviços de streaming Twitch, Amazon Prime Video e Amazon Music. Ela conta com um estúdio de cinema e televisão, produção de eletrônicos e investe também em soluções para casas inteligentes, como a Alexa.

Nos “bastidores da internet” a Amazon também oferece armazenamento na nuvem em larga escala para outras companhias, através do Amazon Web Service (AWS).


Apple Inc.

Ninguém discorda de que a multinacional fundada em 1976 por Steve Jobs e Steve Wozniak é líder em inovação, sustentando alguns dos maiores avanços em computadores e smartphones dos últimos 50 anos.

Sua maior parte de faturamento vem através do IPhone, que no primeiro trimestre de 2020 ocupou 61% da receita, seguido por serviços como Apple Music, Apple Pay, ICloud, além de produtos como MacBooks, Ipads e Apple Watches.


Microsoft

A empresa que desenvolve e vende produtos eletrônicos, computadores e softwares, a exemplo do popular sistema operacional Windows, é reconhecida como a maior produtora de softwares no mundo.

Fundada em 1975 por Bill Gates e Paul Allen, sua maior porcentagem de ganho atual vem dos servidores e serviços em nuvem, com 25,9%, seguidos pela linha Office, composta dos famosos Word, Outlook, Excel e Powerpoint, com 25,2%.

A licença do Windows, o sistema de busca Bing, o Linkedin e a venda de notebooks também são operações de destaque mantidas pelo grupo.


Facebook Inc.

Dominando o mercado das redes sociais, a companhia criada por Mark Zuckerberg em 2004 se tornou uma plataforma multibilionária, conhecida por investimentos ousados que a mantém no topo.

A sua maior porcentagem de faturamento é composta pelo Facebook Ads e Instagram Ads, mecanismos de marketing que permitem exibir anúncios nas redes sociais. A empresa também possui o Whatsapp, e vem demonstrando interesse nos sistemas de realidade virtual, com o Facebook Oculus.


Quais os impactos das big techs na sociedade?

Os produtos e serviços oferecidos pelas big techs já fazem parte da nossa rotina diária de tal forma que dificilmente ficaríamos sem utilizar algumas de suas funções. Imagine passar um dia de trabalho sem acessar o seu e-mail, por exemplo.

As mudanças criadas pelo avanço dessas companhias são o principal combustível da transformação digital, era onde quase todas as pessoas e negócios dependem dos computadores e da internet para executar as funções mais básicas em sociedade.

Comunicação, transporte, entretenimento, informação, publicidade, compras e vendas já foram revolucionadas pelas big techs, mas se depender dos seus esforços em inovação o que estamos vendo hoje será apenas o começo desse novo período histórico.

Nos últimos anos as big techs passaram a receber muitas críticas, sobretudo por suas políticas de dados e pela facilidade em propagar notícias falsas.

Esse discurso, no entanto, não parece ter afetado o seu domínio de mercado, e a resposta dada pelas companhias, até aqui, é a mesma que elas usaram para superar outros desafios em seu caminho: inovar ainda mais.


Até onde vão as big techs?

Um exemplo do que essas companhias ainda podem fazer é o seu giro recente na direção do mercado financeiro. Iniciativas como o Whatsapp Pay, Apple Card e a parceria entre Amazon e Goldman Sachs para fornecer crédito a pequenos empreendedores que atuam no marketplace são alguns desses movimentos.

Os investimentos também se espalham em outras áreas, como inteligência artificial, a exemplo da DeepMind, que foi adquirida pelo Google; inovações em drones, sobretudo por parte do Google e da Amazon, e em realidade virtual, onde quase todas as empresas listadas tem algum tipo de iniciativa.

A tendência é que o seu impacto futuro seja ainda maior, já que essas tecnologias – hoje ainda pouco acessíveis – certamente vão ganhar impulso e chegar às mãos de cada vez mais consumidores.


Conclusão

As big techs mostram que inovação não é apenas uma tendência interessante, ela pode ser o core em um modelo de negócios e sustentar companhias bilionárias ao longo das décadas.

Alphabet, Amazon, Apple, Microsoft e Facebook, além de outros exemplos notáveis como Tesla, Samsung, Huawei e Foxconn entenderam que, se o mundo está em constante transformação, é melhor liderar essas mudanças do que ser arrastado por elas.

Negócios em todas as escalas podem adotar essa lição e adaptar suas atividades à nova lógica de mercado. Seja construindo um aplicativo revolucionário, ou aprendendo a usá-lo para aumentar as vendas do seu comércio local, o caminho é o mesmo: nunca se conformar.

Para transformar a inovação num motor da sua empresa, você pode contar com o AEVO Innovate, o maior Software de Gestão da Inovação da América Latina, que alia os pilares centrais da gestão às ferramentas mais atualizadas para alavancar a sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *