Integridade organizacional: o que é e como desenvolver?

A integridade organizacional não deve ser vista como um modismo ou uma utopia, mas sim como um valor que deve ser buscado por todos os membros de seu time.

Integridade organizacional é o alinhamento total do que a empresa pensa, diz e faz. Ela deve ser estimulada no dia a dia, pois está relacionada com a maneira como os indivíduos expressam seus valores em diferentes situações.

Evidentemente, esse é um processo complexo que deve ser estimulado, pois se trata de uma imersão de evolução em diversos aspectos do cotidiano.

As empresas são desafiadas constantemente a se adaptarem nos processos de mudanças ditados pelo mercado e pelos stakeholders. Nesse contexto, a integridade deve ser um dos alicerces da cultura organizacional.

Em plena era da Economia da Reputação, ambientes confiáveis, negócios sustentáveis e que expressem um propósito tornaram-se valiosos ativos. Portanto, é preciso alinhar código de valores e comportamentos. E o que acontece com quem não consegue fazer isso? O ambiente é afetado, a imagem no mercado prejudicada, assim como a lucratividade do negócio. Além disso, a falta de integridade organizacional não é motivo de inspiração para os colaboradores que, desmotivados, buscarão oportunidades mais compatíveis com os seus valores.

Pensando nisso, neste artigo, você conhecerá mais a respeito de integridade organizacional, duas abordagens para desenvolvê-la em seu negócio e como esse valor pode tornar-se um diferencial estratégico. Acompanhe a seguir.

A cultura da integridade

“Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também”. O meio-campista da Seleção Brasileira não ficou célebre apenas pelo seu papel no tricampeonato em 1970, mas também por sua participação em uma propaganda de cigarros que, anos depois, viria a ser conhecida como “Lei de Gérson”.

Por muitos anos, essa “lei” serviu como desculpa para comportamentos antiéticos, egoístas, corruptos e que não respeitavam os direitos dos demais. Hoje, ela representa a antítese dos valores que são objetivados em vários setores da sociedade, inclusive, no meio organizacional. O desejo de levar vantagem em tudo foi substituído por princípios e valores que constituem a integridade organizacional.

Nesse contexto, para estabelecer um ambiente mais íntegro, é preciso conhecer três elementos essenciais: abrangência, governança e confiança. 

Abrangência

Toda família tem a chamada “ovelha negra”. Alguém que faz escolhas duvidosas e segue por caminhos incertos. Algumas famílias tentam “esquecer” a existência dessa pessoa. Recortam as fotos, excluem perfis no Facebook, deixam de fora das histórias para que os outros não fiquem com uma má impressão.

Mas isso não faz o indivíduo sumir, não é mesmo? Isso também se aplica à integridade organizacional, – afinal, não é possível eleger situações e pessoas às quais ela se aplica: ela deve abranger a todos e estar presente em todos os momentos e relações.

Esse pode parecer um sonho distante, especialmente se considerarmos toda a corrupção e a “cultura” de levar vantagem. Entretanto, é possível adotar iniciativas inicialmente pequenas, mas que façam parte de um programa que irá crescer ano após ano.

A abrangência da integridade organizacional diz respeito às ações que combatem divulgação de informações privilegiadas, concorrência ilegal, corrupção, violação dos direitos humanos, descumprimento das leis trabalhistas e ambientais.

É importante ressaltar que uma cultura estabelecida e compartilhada apenas dentro dos limites físicos da empresa não prospera. Isso significa que de nada adianta adotar uma postura que respeite valores e normas dentro desse ambiente e depois quebrar esses mesmos valores fora dele.

Portanto, a integridade organizacional deve ser um exercício diário de autoconhecimento e treinamento contínuo. Para desenvolver uma cultura de integridade, é preciso interagir apenas com partes que respeitem os valores enaltecidos pelo negócio. Isso significa construir um ambiente de negócios integro e que privilegie parceiros que atuem pautados na ética e moral.

Esse cuidado será apreciado por consumidores e colaboradores, fortalecendo a imagem organizacional.

Governança

A governança é um elemento fundamental para que a empresa alcance os seus objetivos. Ela consiste em um programa que define, por meio de regras, de que formas as decisões são tomadas e quais são as responsabilidades éticas de cada parte.

Uma governança bem fundamentada e justa é elemento-chave para o desenvolvimento e o alcance dos propósitos.

O processo de implementação pode ser bastante complexo, já que envolve políticas, indicadores, auditorias, controles e diversos outros instrumentos. Mas não se deve temer o aumento de trabalho interno! Uma cultura de integridade organizacional deve ser pautada em normas objetivas, diretas, transparentes e de fácil compreensão.

Ao longo do percurso, é preciso ser flexível e entender dilemas para propor melhorias que viabilizem o projeto.

A governança assertiva é aquela que impede transações comerciais que ferem os princípios da integridade organizacional e que é firme em qualquer situação contrária à cultura do negócio.

Confiança

A falta de confiança impede o progresso, a evolução e a vontade de fazer diferente. Essa barreira não dá espaço para que uma nova cultura baseada em integridade prospere.

Para reverter esse cenário, de nada adianta estampar frases com dizeres empoderados de que a empresa faz o certo; é fundamental adotar comportamentos concretos e consistentes que demonstrem os esforços e dados constantes.

Nesse contexto, para que haja confiança, é importante questionar, fiscalizar e cobrar atitudes e respostas de todos os entes com os quais a empresa interage. Fornecedores, parceiros e demais partes devem transmitir confiança e genuinidade.

Além disso, as mensagens, ações, decisões, oportunidades e lideranças devem ser transparentes e sempre de acordo com os valores éticos que a empresa adota.

Empresas capazes de construir e manter um ambiente ético possuem um ativo inatingível e um grande diferencial de mercado.

7 C’s da integridade organizacional

A integridade organizacional é o resultado de diversos esforços que podem ser representados pelos 7 C’s:

Confiança

A organização deve oferecer recursos para que os colaboradores se desenvolvam e acreditem que podem fazer a diferença. Além das decisões e ações éticas, a confiança é merecida quando são disponibilizados treinamentos e investimentos que desenvolvam conhecimentos e habilidades para que todos possam desempenhar suas funções. A confiança depende da informação transparente, fundamental para o alcance dos objetivos estratégicos.

Compromisso

A integridade organizacional deve ser pautada na clareza da identidade do negócio, ou seja, seus princípios e propósitos. O compromisso dos colaboradores aumenta quando eles compartilham dos mesmos valores e objetivos da empresa.

Co-criação

Representa uma direção clara e compartilhada por todos, que retrata como cada um está envolvido com a imagem e com os resultados do negócio.

Conexão

Envolve tudo o que é necessário para transformar a realidade atual do negócio na visão estratégica objetivada. Para alcançar o objetivo, a empresa prepara colaboradores por meio do desenvolvimento de habilidades e conhecimentos e do compartilhamento de informação.

Comunicação

A integridade organizacional prevalece em um ambiente com endomarketing que estimule o diálogo e a troca de informações rápida e eficiente. Todos sabem os andamentos das tarefas e do projeto de implementação da visão estratégica do negócio.

Celebração e correção de curso

Nesse ponto, a empresa possui maturidade para aprender tanto com seus sucessos quanto com seus fracassos e para corrigir os esforços que não estão sendo bem-sucedidos.

Cuidado

Criação e manutenção de um clima harmonioso, de respeito e gentileza entre todos. Esse aspecto fortalece relações e agrega valor ao capital humano.

Conclusão

A integridade organizacional pode parecer algo muito mais complexo quando saímos do micro e vamos para o macro, não é mesmo? Mas ela nada mais é do que alinhamento dos pensamentos, palavras e ações da empresa. Simples, não?

Os três elementos (abrangência, governança e confiança) e os 7 C’s são passos para facilitar a implementação dessa cultura valiosa baseada em transparência e valores.

Como em qualquer outro processo de mudança, como ocorre com a cultura de inovação, o papel da liderança é fundamental para obter o engajamento de todos.

Agora, queremos a sua opinião. Como você faz para estabelecer uma cultura de integridade organizacional? Conte para a gente, deixando um comentário logo abaixo!

Posts Relacionados
A gestão da inovação para grandes empresas é composta de uma série de fases. Conheça-as
A inovação não é simplesmente algo que acontece; você precisa contar com maneiras de fomentá-la
Confira o case AVIVA, que com a ajuda da AEVO, alcançou mais de 55 milhões

Deixe uma resposta