Inovação Aberta: o que é, como implementar e cases de sucesso

 

Confira a transcrição do vídeo:

O que é inovação aberta?

Se você já acompanha os nossos conteúdos há algum tempo, já sabe que inovação é premissa para que uma empresa possa se manter competitiva no mercado ao longo do tempo. E hoje, nós falaremos sobre Inovação Aberta (ou Open Innovation).

Referência: http://bock-pm.com/service/open-innovation/

O termo Inovação Aberta foi popularizado lá em 2003, pelo professor Henry Chesbrough, que leciona na Haas School of Business, na Califórnia. O professor também é diretor e fundador do Centro de Open Innovation, também criador do livro “Open Innovation”.

A abordagem do professor no livro, é que empresas que estão orientadas a modelos de Inovação Aberta (ou Open Innovation) vão ter mais resultados com seus projetos do que empresas que estão orientadas somente ao modelo de Inovação Fechada (ou Closed Innovation). Mas, vamos entender isso melhor?

Esse aqui é um funil tradicional de inovação, onde as ideias entram como matéria prima e, depois de passar por um fluxo de aprovação exclusivamente interno, elas geram valor para a empresa e para o mercado.

Já no modelo de Inovação Aberta, além do funil tradicional de inovação, a empresa está disposta a co-criar com outras empresas para criar soluções inovadoras para os seus projetos:

Referência: http://bock-pm.com/service/open-innovation/
  •  Seja quando ela incorpora uma ideia ou tecnologia de uma empresa parceira a um projeto – com o objetivo de reduzir custo das primeiras etapas do funil, de ganhar agilidade e trabalhar com especialistas no assunto; 
  • Seja quando a empresa disponibiliza uma tese, ideia ou tecnologia para ser desenvolvida por um stakeholder externo; 
  • Ou quando acontece um Spin-off, ou seja, quando um projeto inovador que não está ligado ao Core Business da empresa evolui de tal maneira, que é mais interessante para empresa criar uma outra empresa para tocar essa iniciativa.

Como Implementar a Inovação Aberta no seu Negócio

Agora que você já sabe o que é Open Innovation (ou Inovação Aberta), eu vou trazer alguns modelos práticos para mostrar como você pode implementar a estratégia no seu negócio. 


Programa de Ideias

Uma das maneiras mais interessantes de aplicar o modelo de Open Innovation (ou Inovação Aberta), é através do Programa de Ideias. Quem acompanha os nossos conteúdos aqui no blog da AEVO, sabe que nós somos fãs dessa metodologia – pois envolve todos os colaboradores da empresa na resolução de desafios estratégicos para o sucesso e sobrevivência do negócio.

Como 80% do potencial de melhoria de uma organização está nos colaboradores de linha de frente, os resultados são fantásticos. Mas existe uma outra maneira de fazer Programa de Ideias: envolvendo stakeholders externos, sejam eles fornecedores, clientes e até mesmo o mercado em geral.

Assista também: [VÍDEO] O que é Programa de Ideias?

Um exemplo fantástico da utilização de Programa de Ideias com Inovação Aberta, é o case de um parceiro nosso, a Ambev (ou Corona), que em conjunto com a Parley For The Oceans, fez o Desafio Livre de Plástico, que tinha como objetivo minimizar o impacto do plástico no ecossistema. As ideias que foram para a final tem o potencial de redução de 230.000 toneladas de plásticos nas praias, por ano. Um baita resultado, não é mesmo?

Leia também: [CASE] AEVO Innovate: Corona & Parley For The Oceans – O Desafio Livre de Plástico


Relacionamento com startups

Outra maneira de começar a colocar em prática o modelo de Inovação Aberta (ou Open Innovation) no seu negócio, é estando atento às startups. As startups são empresas de tecnologia que, muitas vezes, são criadas para resolução de problemas específicos. Ou seja, são especialistas naquilo que elas fazem.

Alguns dos modelos do relacionamento com startups estão descritos aqui: Corporate Venture , ou seja, o investimento de uma empresa “X” em uma startup “Y”, como é o caso, por exemplo, da EDP, empresa do setor de energia, que criou o EDP Ventures, e neste ano de 2019 já realizou investimento em uma startup, lá do Ceará, a Delfos.

Outra maneira interessante de se relacionar com as startups é através de Programas de Aceleração Corporativas, onde a própria empresa propõe um programa de aceleração – quem faz a estratégia muito bem no Brasil é a CPFL, através do programa CPFL Inova.

Além dos citados acima, existem os relacionamentos comerciais: quando uma empresa traz uma startup como fornecedor para ajudar nos seus processos de apoio e às vezes até na resolução de problemas no Core Business da empresa.


Os maiores desafios no relacionamento das empresas com as startups

Ainda falando sobre o relacionamento de grandes empresas com startups, eu resolvi trazer um estudo muito legal que eu realizei aqui na AEVO no começo desse ano. 

Eu estive imerso em 60 grandes empresas do Brasil que são referência em Inovação Aberta (ou Open Innovation), com o objetivo de entender quais os maiores desafios dessas empresas ao longo do relacionamento delas com as startups.

Para 59,3% dos profissionais entrevistados, gerenciar as etapas do relacionamento era o maior desafio. Isso acontece porque as startups são muito ágeis no avanço dos processos comerciais, enquanto as grandes empresas ainda precisam enfrentar muitas burocracias para garantir o sucesso desse relacionamento.

Para 50,8% dos profissionais, encontrar a startup certa para a resolução de uma determinada demanda, é um grande desafio ainda. Isso acontece pela dificuldade de validar o estágio de maturidade e se a solução daquela startup realmente será útil para a sua empresa.

Para 40,3% dos entrevistados, estar por dentro do mercado de inovações das startups ainda é um desafio. Por mais que existam muitos eventos e portais no Brasil que abordem o tema, a gente precisa estar sempre se atualizando – acredito que esse ponto nunca deixará de ser um desafio.

[BAIXE A PESQUISA] Os Maiores Desafios das Empresas no Relacionamento com as Startups


Conclusão

O que nós concluímos com a pesquisa é que para grandes empresas se relacionem com as startups, elas precisam ter um olhar um pouco diferente. Às vezes, flexibilizar seus processos de aquisição de novos fornecedores e até mesmo acessar mais ecossistemas de inovação, para conhecer mais startups e estar por dentro do mercado de inovação.

E aí, gostou desse conteúdo? Ele foi útil para você? Se você quiser saber um pouco melhor como está funcionando o cenário de Inovação Aberta (ou Open Innovation) no Brasil, vou deixar um link aqui embaixo para você baixar e consumir a pesquisa completa:

Leia também: Desenho Organizacional – sua empresa favorece a inovação?

Se você quiser conhecer também o AEVO Innovate, a nossa plataforma de Gestão da Inovação que te ajuda a inovar de maneira mais estruturada, clique no banner abaixo e solicite uma demonstração:

3 Ferramentas Importantes para sua Empresa ser uma Máquina de Inovação - CTA

Posts Relacionados
A gestão de pessoas não é filantropia. Apesar dela ter como objetivo ver os colaboradores
Descubra como utilizar o Canvas do Intraempreendedorismo, que é nossa própria metodologia de alta performance
Luís Felipe Carvalho explica o papel dos gestores no engajamento dos colaboradores no Programam de

Deixe uma resposta