Funil de inovação: como inovar com o ecossistema

funil-de-inovação

Na gestão de empresas, a ideia de um funil é frequentemente usada como metáfora para estruturar melhor certos processos. Esse é o caso do funil de inovação, uma forma de estruturar realisticamente o processo de inovação.

Nem todas as ideias para inovação que surgem dentro de uma empresa apresentam o mesmo potencial. Tentar executar todas é um desperdício dos recursos disponíveis. Para evitar esse erro, aplicamos o funil de inovação. Neste artigo, você vai entender como ele funciona na prática.


O que é um funil de inovação?

Um funil de inovação é um processo para analisar as ideias e sugestões de inovação e selecionar aquelas que são efetivamente viáveis para execução. Dessa forma, é possível direcionar recursos e esforços para obter os melhores resultados.

Em outras palavras, evita-se que tempo, dinheiro e capital humano sejam destinados a propostas que parecem boas no papel, mas não podem ser executadas ou, se forem, não vão trazer um retorno significativo para o negócio.


O funil aplicado à inovação aberta

O conceito básico do funil de inovação é bem simples. Agora, vamos entender como ele é aplicado no caso da inovação aberta.

Primeiramente, vamos revisar o que é inovação aberta. Usamos esse termo para nos referir à abordagem de inovação que consiste em realizar parcerias externas para inovar, em vez de conduzir o processo apenas internamente à empresa.

Desta maneira, a inovação aberta está ligada à existência de um ecossistema de inovação. Afinal, sem ecossistema, não há parceiros.

As parcerias podem envolver outras empresas, startups, universidades e institutos de pesquisa, ou o próprio Governo.

Por meio de uma parceria, é possível unir os recursos e esforços. Assim, a capacidade para inovar dos parceiros se amplia. No entanto, mais do que isso, a combinação das individualidades de cada organização (e das pessoas que fazem parte delas) leva à produção de mais idéias.

É na heterogeneidade da inovação aberta que as ideias inovadoras têm um terreno mais fértil para nascer. Ao mesmo tempo, essa diversidade também torna ainda mais necessária a análise de viabilidade.

Imagine, por exemplo, um cenário de parceria entre uma grande empresa e uma startup. Algumas ideias podem parecer extremamente atrativas para a startup, que está preocupada em criar algo disruptivo no mercado. Porém, essas mesmas ideias talvez não tenham o mesmo apelo para a grande empresa, que precisa considerar o retorno financeiro a ser obtido.

O funil de inovação, então, vai permitir filtrar as ideias de acordo com os critérios das duas parceiras.


Etapas do funil de inovação

O funil de inovação é um sistema de filtros com três etapas: topo, meio e fundo. Vamos entender o que acontece em cada uma delas.


Topo

Na primeira etapa, o topo do funil de inovação, o objetivo é gerar e coletar o maior número de ideias possível. Para isso, é importante que a empresa – e seus parceiros, no caso da inovação aberta – façam um extenso mapeamento dos desafios e oportunidades em seu caminho.


Meio

Na segunda etapa, o meio do funil de inovação, o objetivo é iniciar a triagem das ideias coletadas. Para isso, é necessário fazer projeções dos retornos e riscos de cada uma delas, e analisar essas projeções para identificar aquelas que apresentam melhor potencial, isto é, uma relação com menores riscos e maiores retornos.


Fundo

Na terceira etapa, o fundo do funil de inovação, é o momento em que as ideias selecionadas entram em execução. Esse é o momento de maior complexidade, pois envolve o desenvolvimento e implementação da inovação em si, assim como uma série de atividades complementares indispensáveis.

Entre essas atividades complementares, podemos citar:

  • Captação de recursos para financiar o projeto da inovação;
  • Capacitação dos colaboradores para se adaptar à inovação;
  • Criação de um plano de marketing para apresentar a inovação ao mercado.

Funil de Inovação X Funil de vendas: semelhanças e diferenças

Como já foi dito no começo deste artigo, o funil é uma metáfora bastante comum dentro da gestão de empresas. Você provavelmente conhece essa metáfora em razão do funil de vendas.

O funil de vendas, assim como o funil de inovação, é um processo estruturado em etapas, que funciona como uma espécie de filtragem. No entanto, seus objetivos são diferentes.

O funil de inovação filtra ideias para encontrar aquelas que têm melhor potencial para inovação. O objetivo, claro, é gerar inovações com a melhor relação risco-retorno. Enquanto isso, o funil de vendas filtra prospectos para encontrar aqueles que têm melhor potencial para se tornar clientes. O objetivo é gerar vendas.


Conclusão

Neste artigo, você viu como o processo de inovação pode ser estruturado em um funil, com o objetivo de filtrar as várias ideias que podem surgir dentro da empresa – ou no diálogo entre a empresa e seus parceiros.

Por meio dessa filtragem, os recursos disponíveis são direcionados para aquelas ideias com maior potencial de retorno e menores riscos. Assim, o funil de inovação é um aliado importante para o sucesso das iniciativas de inovação.

Quer entender como a AEVO pode ajudar na construção de um funil de inovação em sua empresa? Conheça o AEVO Innovate, nosso software de Gestão da Inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *